O jornal Fala Roça participa hoje e amanhã do Encontro Nacional de Formadores dos Direitos da Infância e Juventude, em Brasília (DF). O evento reúne comunicadores e mobilizadores de todo o país para discutir sobre a violação dos direitos das crianças e dos adolescentes, com foco na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/1993, que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Pelo projeto aprovado na Câmara dos Deputados, a redução acontecerá em casos de crimes de homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte e crimes hediondos. A medida foi aprovada pela Câmara em agosto e está no Senado Federal para ser apreciada e votada.

O presidente do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), Rodrigo Torres, deu as boas-vindas aos participantes e discursou sobre a formação que está sendo realizada. Para ele, o evento é necessário para poder desconstruir tabus sobre como funciona o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), que protege os direitos das crianças e adolescentes no país e que completou em julho 25 anos de existência.

“Essa desconstrução de alguns conceitos que, algumas vezes, ficam voando por aí, é o nosso papel. E para isso precisamos trocar informações e os debates servem para isso, para fortalecer as nossas posições”, afirma.

Jovens debatem sobre a redução da maioridade penal em Brasília. (Foto: Beatriz Calado/Fala Roça)
Jovens debatem sobre a redução da maioridade penal em Brasília. (Foto: Beatriz Calado/Fala Roça)

Pela manhã, os convidados assistiram uma palestra do conselheiro do Conanda Douglas Belchior. Ele discursou sobre o papel do ECA e a luta de movimentos sociais contra a proposta que está no Senado Federal. Após a palestra, os participantes foram divididos em grupo para a realização de uma atividade.

À tarde, Beatriz Barbosa, do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação, e Suzana Varjão, da Andi – Comunicação e Direitos, falaram sobre a abordagem da mídia no debate sobre a redução da maioridade penal.

De acordo com Beatriz, os comunicadores devem pensar em estratégias para convencer parte da população a favor da redução que não está na internet, lugar onde a discussão sobre o tema vem ganhando força.

“Se a gente construir estratégias só para a internet, elas só vão atingir um determinado público. É preciso pensar que nem todos os brasileiros estão na rede”, diz.

*Beatriz Calado viajou através do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – Conanda.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…

Moradores da Rocinha vencem 3ª edição do Festival Brasileiro de Nanometragem

Sob aplausos da platéia, o vídeo “Anjos não falam” venceu o 3º…