Estudar e chegar a uma universidade é um feito e tanto, mas concluir a graduação ainda é para poucos. Segundo o instituto Data Popular, que realiza pesquisas com as classes C,D e E, apenas 5% dos moradores de favelas têm ensino superior completo. As dificuldades são muitas, mas ainda assim há muitos jovens que não desistem e conseguem o tão sonhado, e suado, diploma universitário. Esse é o caso da Ismária Mendes de Paiva, 26 anos, moradora da Rocinha.

Ismária é filha nordestinos de São Benedito, no Ceará. Seus pais vieram em busca de uma vida melhor, assim como grande parte dos nordestinos da Rocinha. O objetivo era viver de música. Eles chegaram até a obter registro de compositores, mas carreira artística não se tornou a principal atividade e eles buscaram uma profissão mais estável. Hoje o pai de Ismária é garçom e a mãe diarista.

Quando criança, Ismária sonhava em ser pediatra. (Foto: Michele Silva)
Quando criança, Ismária sonhava em ser pediatra. (Foto: Michele Silva)

Quando criança, Ismária sonhava em ser pediatra. Estudante de escola pública no ensino fundamental e médio, ela fez o ENEM e aproveitou a nota para tentar uma bolsa em universidades privadas através do PROUNI (Programa Universidade Para Todos). Deu certo. Ismária foi selecionada para cursar a faculdade de Direito na Cândido Mendes com bolsa de estudos integral.

A parte mais difícil para ela viria após a conclusão do curso. Ismária encarou seu maior desafio: passar na prova da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Só é possível exercer a profissão portando este registro. Ela fez a prova sete vezes e chegou a pensar em desistir dessa área devido à dificuldade de conquistar seu registro. “Perdi o sono e pensei em desistir, fazer outra coisa. A cada tentativa parecia mais difícil” afirma a advogada, que conseguiu o registro na oitava vez.

Formada e apta a exercer sua profissão, Ismária já têm planos para o futuro. “Vou continuar estudando e fazer concursos públicos”. Sua trajetória é motivo de orgulho para toda a família e exemplo para o irmão mais novo, Renato Mendes, de 16 anos, que também já tem planos: “Quero ser músico e fazer uma faculdade para me dar mais estabilidade.”

Para quem também tem o sonho de concluir uma faculdade ou mesmo começar, ela dá um conselho. “Você precisa olhar pra trás, nunca esquecer de onde você veio, da sua família, respeitar seus pais e se esforçar para dar esse orgulho à eles”, disse a agora advogada Ismária Mendes de Paiva.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

Tribunal de Justiça do RJ proíbe Crivella de remover lojistas no Camelódromo da Rocinha

Os lojistas do Camelódromo da Rocinha conseguiram uma liminar no Tribunal de…

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…