O Museu Sankofa de História e Memória da Rocinha tem o objetivo de resgatar a memória da favela, mas sem deixar de pensar no futuro. A ideia de museu surgiu há seis anos, mas esse trabalho existe desde a década de 1970 com a criação do livro Varal de Lembranças.

O grupo que faz esse resgate é composto por sete integrantes, todos moradores da Rocinha. A principal ferramenta de pesquisa é o próprio morador, que pode enviar fotos e documentos, que depois de digitalizados, voltam para ele. Outra forma de preservar a memória coletiva ocorre por meio de histórias contadas oralmente por moradores mais antigos. O museu possui um blog na internet, abastecido com textos sobre a Rocinha e com as informações dos eventos do projeto.

O Museu Sankofa realiza ações no sentido de preservação e constituição do acervo sobre as memórias e as histórias da Rocinha e políticas públicas de cultura para a favela. Nesta coluna, publicaremos histórias de pessoas, gente que vive, que faz, que conta e narra suas memórias. Falaremos historicamente do cotidiano e da vida corriqueira, de nós mesmos que aqui vivemos.

O projeto é aberto para qualquer pessoa que queira oferecer documentos, fotos ou objetos que contribuam para resgatar a memória coletiva da Rocinha.

Bloco das Piranhas

Criado na década de 90, no alto do Laboriaux, um grupo de amigos chamava a atenção com o tipo de fantasia que usava: roupas de mulheres. Diante disso, apelidaram o grupo de “Bloco das Piranhas”. O bloco alegrava os moradores cujo trajeto iniciava no Laboriaux e ia até o Portão Vermelho. Muita curtição, sensualidade e glamour fizeram parte do Bloco das Piranhas.

Amigos reunidos com roupas de mulheres, na década de 90, no alto do Laboriaux. (Foto: Foto: Museu Sankofa Memória e História da Rocinha)
Amigos reunidos com roupas de mulheres, na década de 90, no alto do Laboriaux. (Foto: Foto: Museu Sankofa Memória e História da Rocinha)

Ainda hoje, no Carnaval, é comum ver grupos de homens circulando pela Rocinha, com roupas de mulheres. Não podemos esquecer do Bloco das Piranhas que agitava a Paula Brito. Na foto ao lado estão os integrantes do bloco, nos anos 90. Reconheceu alguém? Entre em contato com as redes sociais do Fala Roça.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

Moradores da Rocinha vencem 3ª edição do Festival Brasileiro de Nanometragem

Sob aplausos da platéia, o vídeo “Anjos não falam” venceu o 3º…

Fala Roça abre inscrições para a Primeira Oficina de Comunicação Comunitária

Estão abertas as inscrições para a Primeira Oficina de Comunicação Comunitária do…

Rio antigo: a Fazenda Quebra Cangalha e a origem da Rocinha

Em homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, o jornal FALA…