Em homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, o jornal FALA ROÇA revirou o baú e contará a origem da Rocinha por meio da memória do assessor comercial João Castro Guidão, 52 anos, herdeiro da família Castro Guidão.

A família Castro Guidão, de origem portuguesa, chegou ao Brasil em 1868. Na época, o jovem Braulio Noberto de Castro Guidão foi enviado por seus pais para cá para trabalhar na indústria de tecidos junto com outros portugueses. Alguns anos depois, o irmão de Braulio, Adriano de Castro Guidão, também foi enviado para o Brasil para trabalhar com seu irmão.

Diante disso, eles se tornaram sócios e fundaram a Companhia Castro Guidão cujas virtudes eram a Fé, Esperança e Caridade. Oriundos de Coimbra, região central de Portugal, os irmãos estabeleceram-se no comércio brasileiro e expandiram os negócios para a indústria de tecidos, bancos, fazendas, imóveis, pólvora e entretenimento. Na época, a Companhia Castro Guidão era dona de diversas fazendas no Rio de Janeiro, entre elas a fazenda Quebra Cangalha. Segundo João Castro Guidão, o dono da Quebra Cangalha, que ocupava um terreno de aproximadamente 500 mil metros quadrados de onde hoje é a Rocinha, era um fazendeiro português chamado Manoel Fernandes Cortinhas. Antes de retornar para Portugal, no início dos anos 10, ele vendeu a fazenda para o engenheiro Luiz Catanhede por cerca de 50 conto de réis.

“Luiz contratou cerca de 15 pessoas para cuidar e morar na fazenda. A área ocupada pela Rocinha possuía, originalmente, características rurais. Mas ele não tinha visão de negócios e entregou o terreno à Companhia Castro Guidão, em 1915, através de um acordo para acabar com uma dívida entre ele e o banco criado pelos Irmãos Guidão’’, conta João.

Paisagem da Rocinha em 1958: é possível observar casas na região da Roupa Suja, Dionéia e na entrada da Rocinha. (Foto: Acervo pessoal da Família Castro Guidão)
Paisagem da Rocinha em 1958: é possível observar casas na região da Roupa Suja, Dionéia e na entrada da Rocinha. (Foto: Acervo pessoal da Família Castro Guidão)

O assessor comercial conta que o nome da fazenda surgiu por causa de um tipo de madeira. “A cangalha era o nome das madeiras que sustentavam e equilibravam os bois. Como a fazenda era íngreme, as cangalhas quebravam facilmente. Daí surgiu o nome Quebra Cangalha porque o ex-dono das terras caminhava com os bois até o alto da Rocinha para plantar café, frutas, legumes e mamona”, explica João.

Apesar de ter ganhado a fazenda como pagamento de uma dívida, os irmãos Braulio Noberto de Castro Guidão e Adriano de Castro Guidão propriedade com mais de quinhentos mil metros quadrados, atravessada pela estrada que desce da Tijuca ao Jardim Botanico, perto do mar, e propria para sanatorio, collegio ou hospital. Trata-se com Castro Guidão & C. na Rua Primeiro de Março n° 7.”

O terreno não foi vendido e a urbanização da zona sul avançava com a construção da Avenida Niemeyer, em 1916. No início dos anos 20, existiam alguns pequenos produtores que plantavam legumes, verduras e hortaliças. Os produtos eram levados para uma feira na Praça Santos Dumont, na Gávea, através da Estrada da Gávea. Os consumidores perguntavam de onde vinham os produtos e os comerciantes diziam que era lá da “rocinha”, daí que surgiu o nome de nossa favela.

A migração de nordestnos e a construção do túnel Dois Irmãos - atual Zuzu Angel - contribuíram para o crescimento da Rocinha. (Foto: Michel Silva)
A migração de nordestnos e a construção do túnel Dois Irmãos – atual Zuzu Angel – contribuíram para o crescimento da Rocinha. (Foto: Michel Silva)

Os irmãos Guidão faleceram na metade dos anos 20 e os herdeiros assumiram os negócios. Entre 1927 e 1930, a Companhia loteou a fazenda e vendeu uma quantidade de terrenos para clientes particulares. Um dos lotes, de n° 81, foi doado para a Paróquia Nossa Senhora da Paz de Ipanema pela atriz Victória Miranda, nora de Adriano de Castro Guidão. Ela usou o nome da família e fez a doação do terreno, onde mais tarde foi construída a Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, conhecida como Igreja da Fundação, perto do restaurante Bob’s.

No início dos anos 30, a Companhia Castro Guidão declarou falência e os herdeiros não tinham mais interesse pelo terreno da Fazenda Quebra Cangalha. A Estrada da Gávea passava por melhorias no asfalto e iluminação. Além disso, existiam boatos de que o terreno eram “terras do governo” ou “sem dono”, por isso as pessoas começaram a ocupar os lotes, contribuindo para o crescimento irregular da Rocinha.

Com a migração de nordestinos para cá no início dos anos 50, eles transformaram a Rocinha no que ela é atualmente. Uma cidade dentro da cidade.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…

Moradores da Rocinha vencem 3ª edição do Festival Brasileiro de Nanometragem

Sob aplausos da platéia, o vídeo “Anjos não falam” venceu o 3º…