O infectologista Carlos Starling, diretor da Sociedade Mineira de Infectologia, afirma que, uma das portas de entradas do coronavírus na Rocinha pode ser o turismo. A informação foi publicada nesta sexta-feira (13/03) em uma reportagem do Favela em Pauta. “É possível que os turistas estejam portando o vírus. Se estiverem resfriados ou mesmo os indivíduos assintomáticos, nós sabemos que podem transmitir. O que recomendo é que caso os turistas cheguem em determinados locais, não seja feito o cumprimento tradicional de aperto de mão, manter uma certa distância. Isso é importante porque a circulação do vírus no Brasil está vindo de fora para dentro. Então, há sim essa possibilidade”, diz.

Só em 2020 já foram notificados 239 casos no estado do Rio de Janeiro. Foto: Mauricio Bazilio/SES

“É prudente que os operadores de turismo adotem precauções. Turistas gripados não devem subir nas favelas. Isso tem que ser feito uma triagem com orientação a todos que fazem esse tipo de turismo. Eu entendo que o turismo seja importante na cidade do Rio, para as favelas. Mas nesse momento todos os cuidados devem ser tomados para que a população não seja infectada por pessoas oriundas de regiões onde a circulação viral é muito intensa, principalmente, da Ásia e Europa”.

Atualmente, muitos guias de turismo estão sendo vistos percorrendo a Rocinha com turistas nacionais e estrangeiros. Uma das operadores de turismo, a Jeep Tour, disse que a empresa continuará promovendo visitas ao morro, mas adotaram medidas de segurança higiênicas. A empresa está fornecendo álcool em gel para os passageiros e funcionários e higienizaram os veículos. “Estamos em alerta total e havendo um pedido dessas organizações [Ministério da Saúde e Secretarias Municipais e Estaduais] para suspensão dos serviços faremos de imediato, priorizando sempre a integridade da população carioca, da qual fazemos parte e também de nossos visitantes”, informou a Jeep Tour ao Favela em Pauta.

Em um documento divulgado pela Sociedade Brasileira de Infectologia, em uma primeira fase, o novo coronavírus chega no Brasil apenas com casos importados. Na segunda fase, ocorre a transmissão local, quando quem não viajou contrai o vírus, mas é possível identificar quem o transmitiu. Na terceira e última fase, ocorre a transmissão comunitária. Ou seja, a proliferação do vírus atinge um aumento exponencial no número de casos e não é mais possível identificar o paciente transmissor.

Dependendo da evolução do covid-19 no país, é possível que o Rio de Janeiro entre na terceira fase nos próximos dias ou semanas, devido ao tamanho da população do estado. Por isso, os governos estaduais e municipais estão cancelando aulas em escolas públicas e privadas, eventos desportivos, shows e atividades em cinemas, teatros e museus por pelo menos 15 dias.

Até o momento nenhum caso suspeito de coronavírus foi identificado em áreas de favelas. Áudios e links falsos estão sendo compartilhados em grupos de moradores. O Fala Roça está monitorando o conteúdo compartilhado e poderá responder as dúvidas em sua página no facebook.


Apoie o jornalismo de favelas. Apoie o Fala Roça.

Fazer jornalismo na favela é um imenso desafio. Nós sempre fizemos nossas matérias abordando diversos aspectos da Rocinha. Seja no jornal impresso ou no site. Contribuindo com o Fala Roça, você estará fortalecendo o jornalismo feito na favela, independente, e com um olhar de quem nasceu e mora até hoje no morro. Pode dar essa moral? 👇

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Idosa de 70 anos morre com suspeita de Covid-19 na UPA da Rocinha

A idosa Maria Luiza Santana do Nascimento, de 70 anos, morreu com…

Eraldo Silva: “Crise na saúde pública do Rio atinge patamares alarmantes”

Se a Prefeitura do Rio de Janeiro não recuar na sua decisão…

Lixo espalhado pelas ruas da Rocinha pode gerar doenças em moradores

Cerca de 36 mil toneladas. Essa foi a quantidade de lixo retirada…