Lojas e marcas têm vivido novas experiências de consumo. Os perfis de vendedores também foram incluídos nessas mudanças. Na Rocinha, o vendedor de uma loja de biquinis chama a atenção ao trocar os produtos da vitrine. O vendedor é Roger Monte, portador de vitiligo, uma condição caracterizada pelo surgimento de manchas brancas na pele, que, apesar de não contagiosa, ainda é cercada de preconceitos e estigmas.

Aos 38 anos de idade, o carioca nascido em Santo Cristo, na região central do Rio, virou inspiração para milhares de pessoas que o seguem nas redes sociais por causa dos relatos pessoais e fotos de ensaios fotográficos.

As primeiras manchas no corpo de Roger Monte surgiram aos 24 anos a partir de um relacionamento amoroso tóxico que gerou ansiedade, estresse e depressão. Estresse é um dos fatores emocionais, junto com a genética, para desencadear o vitiligo.

“Sempre que realizamos uma anamnese acabamos encontrando algum problema de fundo emocional em quem tem vitiligo. Situações estressantes, como a perda de um ente querido, brigas familiares, demissão, entre outros traumas do dia a dia podem desencadear o início da doença”, explica a médica dermatologista Ivonise Follador, da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

O sinal de alerta para Roger foi o surgimento de uma mancha na boca após a retirada de um piercing. “Quanto mais ansiedade e mais estresse, mais manchas iam aparecendo. Não gostava muito da minha imagem, eu lutando contra a minha condição de portador de vitiligo”, diz ele que tinha pavor de sair de casa sem o uso de maquiagem. 

Roger Monte posa em uma viela na parte baixa da Rocinha. Foto: Anderson Marques

O processo de autoaceitação veio através do incentivo de amigos para que fizessem postagens em seu perfil no Instagram como modo de superar os traumas. Foram 11 anos usando maquiagem para esconder manchas.

“Tem as pessoas que realmente não se aceitam, tem pessoas que se aceitam e convivem com vitiligo. E tem as pessoas negacionistas, que se aceitam e não aceitam as pessoas que querem se tratar.”, avalia Monte.

A carreira de modelo fotográfico começou após ele ser fotografado para a exposição Eu Não Sou Comum, divulgada na capa do jornal O Globo com uma foto dele. A exposição trazia questionamentos sobre imagem corporal, autoestima e saúde.

Atualmente, Roger Monte é agenciado pela Rock MGT, em São Paulo, e Front Managent, no Rio de Janeiro.

“Outro dia eu fiz um vídeo com as minhas maquiagens antigas e eu fiquei me questionando a quantidade de produtos que eu usava pra me esconder. Ainda hoje eu recebo olhares, vejo pessoas com vitiligo no morro.”, diz ele que é a primeira pessoa da família a ter essa condição genética.

Primeiro de agosto (1/8) é o Dia Nacional dos Portadores de Vitiligo, enquanto a conscientização mundial é lembrada no dia 26 de junho. Personalidades no mundo com essa condição também atuam como modelos. São os casos da canadense Winnie Harlow, a ex-BBB Natália Deodato e o paulistano Akin Cavalcante.

*Foto de capa de Anderson Marques

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Centro de cidadania da Rocinha tem 5 elevadores; só um funciona

Dos cinco elevadores do Centro de Cidadania Rinaldo de Lamare apenas um…

Saúde mental: moradores derrubam o preconceito e buscam apoio psicológico

Sabe aquele velho ditado que diz: “mente sã num corpo são”? Pode…

Sirenes tocam há 36 horas em diferentes localidades na Rocinha

Não há registro de deslizamentos e nem vítimas no morro