Espremida entre moradias e comércios no Largo do Boiadeiro, a capela Nossa Senhora Aparecida guarda histórias. Uma delas, lembrada por moradores católicos, é de um homem branco, estrangeiro, com sotaque belga e mangas arregaçadas. Era o padre Thierry Linard de Guertechin que ajudou a “virar a laje” com a ajuda de fiéis na década de 80.

O missionário jesuíta nasceu em 1944, em Bruxelas, na Bélgica. Entrou para a igreja católica em 1962. Padre Thierry Linard inicialmente queria ir para a Índia em missão, mas foi incentivado a vir para o Brasil por padres brasileiros que conheceu no curso de teologia em sua cidade natal. Desembarcou no Brasil em 1975 onde escolheu o Rio de Janeiro para trabalhar como professor na PUC-Rio. Lecionou de 1975 a 1996, no departamento de Sociologia e Ciências Políticas.

Pela proximidade com a faculdade, passou a frequentar a Rocinha e se apaixonou. Ele acreditava que para acabar de vez com o assistencialismo, que não resolve o problema da favela, os moradores deveriam organizar a vida social. 

Numa entrevista ao jornal Tribuna da Imprensa, em 1984, avaliou a potencialidade dos moradores. “Um grupo organizado se faz ouvir sem precisar estar ligado a partidos políticos. A força do grupo leva à obtenção dos objetivos”, disse ele ao criticar o conformismo.

Na Rocinha, Thierry Linard “virou a laje” com moradores e fiéis. Foto: Acervo/João Guilherme

Para Linard, o conformismo gera o imobilismo dos moradores que preferiam deixar os problemas para as autoridades resolverem. Através das inúmeras atividades que os centros comunitários passaram a desenvolver, provocou os moradores a pensar sobre os problemas mais imediatos de suas vidas, transformando o conformismo em luta, sem esperar os favores caírem dos céus.

Na Rocinha, enfrentou inúmeros desafios com os jesuítas porque seus superiores, a quem devia obediência, não viam com bons olhos o trabalho na favela. Comprou uma casa na antiga Rua 4, e assim como os moradores da localidade viu sua residência dar espaço para a famosa Rua Nova após as obras do PAC 1, em 2010. A casa lhe servia de moradia, mas também abrigava encontros das pastorais da capela na década de 90 e início dos anos 2000.

Nos anos 80, participou dos mutirões de limpeza, canalização das valas e construção de moradias dignas, além de reivindicar melhores condições de vida para os moradores. O trabalho pastoral foi estendido à Ação Social Padre Anchieta (ASPA), onde foi assessor e diretor espiritual, participando ativamente mesmo à distância através de chamadas de vídeos.

Colaborou durante anos com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) como assessor especial e integrou o grupo de peritos que produz a Análise de Conjuntura mensal para a entidade. Em Brasília, ficou 20 anos, e esteve à frente do extinto Instituto Brasileiro de Desenvolvimento (Ibrades) e no Centro Cultural de Brasília, uma instituição dos padres jesuítas. Também trabalhou no Observatório de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida.

Padre belga durante evento com crianças e famílias atendidas na ASPA. Foto: Acervo/ASPA

Mesmo após esses anos vivendo no Brasil, o padre não perdeu seu sotaque, e falar o português foi uma de suas maiores dificuldades. “O que me consola é que as pessoas são muito amáveis e dizem que o meu sotaque é charmoso”, dizia o religioso. 

Muito querido por todos, o religioso colecionou amigos na Rocinha. Ao longo dos anos ele batizou inúmeras crianças. Nos últimos meses, Maria Coelho, secretária da capela Nossa Senhora Aparecida, passou a catalogar os batizados feitos pelo padre de 1981 até 2020. Entre 1981 e 1985, 1101 batismos passaram pelas mãos de Linard.

Thierry Linard faleceu na madrugada de domingo (30/1), aos 77 anos, na Casa de Saúde e Bem-Estar Nossa Senhora da Estrada, em São Paulo. Desde 2008, ele tinha diagnóstico de gânglios infectados na garganta. Foi submetido a vários procedimentos médicos. No ano passado, a situação se agravou e ele precisou afastar-se de suas atividades. Seu corpo será trasladado para Brasília, onde será sepultado no Cemitério Campo da Esperança da Asa Sul nesta segunda-feira (31/1).

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Marcos Barros, referência em educação na Rocinha, morre aos 42 anos

Morreu neste domingo (25), aos 42 anos, o jornalista e educador comunitário,…

Paulo Cesar “Amendoim”, o pai do turismo na Rocinha, morre aos 62 anos

Amendoim também foi jogador de futebol e integrou a Seleção Brasileira de Atletismo nos anos 70

Carlos Costa, jornalista e ex-líder comunitário, morre aos 59 anos

Carlos Costa viveu na Rocinha por 45 anos. Dedicou 30 anos às…

Morre Antonio de Oliveira Lima, antigo líder comunitário na Rocinha e perseguido na ditadura

Assim como muitos nordestinos, o cearense Antonio de Oliveira Lima, de 74…