O início da vacinação de idosos contra a Covid-19 no Rio vem mobilizando amigos e familiares para que ninguém fique sem a vacina. Embalado por esse momento histórico, o motorista de aplicativo Sandro Carvalho, de 41 anos, decidiu transportar idosos que moram na Rocinha com dificuldades de locomoção até os locais de vacinação da região. Ao todo, existem 3 pontos de vacinação na favela – CMS Dr. Albert Sabin, CF Maria do Socorro e CF Rinaldo de Lamare.

A ideia surgiu com a esposa de Sandro, a comerciante Tatiana Prado, de 39 anos, que estava lavando roupa em um dia de intenso calor no Rio e pensou na dificuldade dos idosos que precisam utilizar o transporte público na Rocinha. Ela publicou uma mensagem em grupo de moradores no WhatsApp e a iniciativa foi elogiada. “Nem todo mundo tem dinheiro para esse deslocamento. Nem todo carro quer subir e descer a favela”, diz Tatiana, cuja inspiração por fazer boas ações vem da educação que recebeu do pai.

O sentimento de ajuda ao próximo está entranhado na vida do casal. “Ela inventa, a gente se une e faz”, conta Carvalho.

Ex-motoboy, o motorista de app abandonou a moto após quase morrer em um acidente de trânsito. 1 ano e 7 meses após ficar afastado pelo INSS, ele voltou a trabalhar 2 meses depois do decreto da pandemia no país. Ele é um dos milhares de brasileiros que perdeu o emprego de carteira assinada. Com um carro próprio, sua principal fonte de renda é o transporte por aplicativo.

O motorista de app, Sandro Carvalho, de 41 anos, com seu carro próximo a entrada da Rocinha. Foto: Michel Silva

Pandemia com empatia

Na pandemia, a prática da empatia vem sendo primordial para controlarmos nossas emoções no cenário de crise. Para Sandro, empatia é o segredo para tudo e critica quem só pensa em lucrar com o coronavírus. “Nós precisamos de empatia, precisamos ajudar um ao outro. Infelizmente o mundo inteiro só pensa no dinheiro. As pessoas não pensam na amizade, na família. Não adianta ter todo o dinheiro do mundo quando não tem ninguém do seu lado”, avalia.

A falta de novas ruas para melhorar a acessibilidade e um transporte público eficiente traz a tona uma preocupação de Tatiana Prado. “Muita gente vai perder a oportunidade de tomar a vacina porque não consegue chegar lá embaixo. As vezes não tem a quem pedir ajuda. A pessoa pode entrar em contato com a gente, marca uma hora e a gente busca e leva.”, explica.

Entre levar uma das filhas numa de aula e fazer corridas pagas pela cidade, Sandro está atento as mensagens que chegam no celular. Por enquanto, ele não transportou nenhum idoso de graça, mas aguarda pacientemente a chegada da sua vez na fila de vacinação. “Se chegar até a minha idade, eu vou tomar sim”, incentiva.

Até o final de fevereiro, a Prefeitura do Rio vacinará os idosos com 75 anos ou mais. Cada dia corresponde a uma idade. Veja onde se vacinar.

Idosos ou responsáveis pelos idosos que residem na Rocinha pode entrar em contato com o Sandro Carvalho pelo número (21) 99528-0021 para combinar um horário de transporte.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Inaugurado há 2 semanas, Centro de Imagem da Rocinha está fechado por falta de equipe

Inaugurado discretamente há duas semanas pelo prefeito do Rio, Marcelo Crivella, o…

68 pias comunitárias para higienização estão sendo instaladas na Rocinha

A Prefeitura do Rio está instalando 68 pias comunitárias em diferentes pontos…

Em 3 dias, 50% de pacientes de clínica particular testam positivo para Covid-19 na Rocinha

Testes positivos de Covid-19 em clínica particular na Rocinha contrariam dados públicos

PUC-Rio e Rocinha vão arrecadar fundos para combate à fome no morro

Qualquer pessoa pode participar da campanha, que vai receber doações até 30 de junho