Diante das mobilizações para doação de cestas básicas na Rocinha, o morador Isael Jacinto da Costa, de 52 anos, pensou em algo mais simples para ajudar os vizinhos: doar sacos de pães. O padeiro que está desempregado desde 2017, percebeu que embora os moradores tenham o arroz e feijão, não tinham pão para comer.

“O pão é a vida, né? Às vezes está faltando um pão pra dar a criança de manhã. Eu acho muito importante o café da manhã. Às vezes a mãe não tem o pão para dar. As pessoas nem sempre tem dinheiro para comprar e elas ficam muito felizes quando recebem o saco de pão. Dá para ver a alegria nos olhos das crianças”, explica o padeiro.

Natural de Divino São Lourenço, cidade com cerca de 5 mil habitantes, no sul do estado do Espírito Santo, ele saiu da roça para morar na Rocinha há 30 anos. Pai de 7 filhos, a família é quem ajuda a colocar os pães em sacolas plásticas nos dias de doações. 

Entre a solidariedade e um sonho

No início das distribuições, ele assou 200 pães. Segundo Isael Jacinto, a quantidade atendeu poucas famílias na localidade conhecida como Bica da Palmeira, na parte alta da Rocinha. Após conseguir um trabalho temporário em uma padaria do morro, ele comprou o material para fazer 700 pães. Nesse bico, o dono da padaria deixou ele assar os pães de graça. 

“Tem muitas pessoas que ficam tímidas de pegar, mas vejo que elas precisam. Outras pessoas querem comprar pão e não tem dinheiro”, conta ele que, na última vez que fez as doações, desceu os becos de três localidades com uma cesta de palha no ombro e protegido com uma máscara.

Cesta usada pelo padeiro Isael Jacinto para transportar os sacos de pães no morro. (Foto: Arquivo pessoal/Isael Jacinto)

Durante o preparo da doação de pães, o padeiro lamentou o fato de que a família ainda não conseguiu o auxílio emergencial do Governo Federal destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, como é o caso dele. “Ninguém aqui em casa foi aprovado ainda. Minha filha me cadastrou, mas na primeira vez não fui aprovado”.

Em média, cada saco montado pela família de Isael tem 5 pães. Enquanto não consegue um emprego, ele sonha em montar uma pequena padaria onde mora. Ele possui os equipamentos básicos da profissão, mas a falta do maquinário é um empecilho para tirar o sonho do papel. Máquinas como divisora, modeladora, cilindro, amassadeira e um forno turbo podem custar até R$ 5 mil cada. 

As próximas distribuições de pães ainda não estão garantidas. Só vão acontecer se o padeiro conseguir um emprego fixo ou um novo bico, como vem fazendo nos últimos anos. O ato de solidariedade não é de hoje. “Não é só por causa da pandemia. As pessoas precisam das coisas independente de qualquer coisa. Não precisa acontecer uma desgraça para ajudar as pessoas. Isso que estou fazendo é tão pouco que os moradores ficam gratos por isso”, conclui Isael Jacinto.


Apoie o jornalismo de favelas. Apoie o Fala Roça.

Fazer jornalismo na favela é um imenso desafio. Nós sempre fizemos nossas matérias abordando diversos aspectos da Rocinha. Seja no jornal impresso ou no site. Contribuindo com o Fala Roça, você estará fortalecendo o jornalismo feito na favela, independente, e com um olhar de quem nasceu e mora até hoje no morro. Pode dar essa moral? 👇

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Homem de 43 anos morre com coronavírus após dar entrada na UPA da Rocinha

Um homem de 43 anos morreu com coronavírus na última quinta-feira (16),…

Rocinha lidera nº de casos de coronavírus em favelas no Rio; já são 34 infectados

34 moradores da Rocinha estão infectados com o novo coronavírus, o covid-19,…

Homem morre de coronavírus 17 dias após perder pai para a doença na Rocinha

Alexandre Moreira ficou internado por 2 semanas no Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer

Diretor de obras da Associação de Moradores da Rocinha morre de coronavírus

O diretor de obras da Associação de Moradores da Rocinha (UPMMR), Jorge…