Quatro amigos e moradores da Rocinha se uniram para amenizar os impactos da pandemia do novo coronavírus distribuindo quentinhas para pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social nas ruas da zona sul do Rio de Janeiro.

Com o isolamento social em vigor na cidade há xx dias, há pouco movimento nas ruas e a maior parte do comércio está fechado. Sem fonte de renda ou alimentação, a fome agravou ainda mais a situação dessas pessoas. 

O projeto Um olhar para as ruas – criado por Kelly Silva, 32 anos; Lúcia Freitas, 20 anos; Bianca Salles, 25 anos; Gabriel Maciel, 23 anos e Jenny Oliveira, de 28 anos – já beneficiou 700 pessoas desde abril deste ano.

Iniciativa surgiu após um almoço solidário de Páscoa, no alto da Rocinha. Foto: Acervo/Um olhar para as ruas

“Precisamos olhar um pouco mais fora da nossa janela porque, nesse momento, todos estão precisando de ajuda”, explica Bianca Salles.“Encontramos uma união muito grande nas ruas onde também fomos acolhidos”, complementa.

O cardápio das quentinhas é variado. Em uma semana acompanha arroz, feijão, frango com legumes e farofa. Na outra, a sardinha substitui o frango com legumes. Os amigos também distribuem roupas, cobertores e kits de higiene. Mas nem sempre é possível. “Só semana passada que não conseguimos porque não tínhamos todos os produtos de higiene”, conta Salles. 

Itens de higiene como lâminas de barbear, escovas de dentes, sabonete e absorventes já entraram pra lista de materiais que o grupo pretende arrecadar. É uma demanda bastante comum das ruas, ainda considerando a orientação  da Organização Mundial da Saúde, que recomenda a higienização das mãos com frequência como forma de prevenção contra o coronavírus.

Outra dificuldade encontrada pelo projeto é o transporte dos alimentos. Sem carro próprio, o grupo conta com ajuda de outros amigos para alugar uma kombi ou o empréstimo de um veículo para fazerem o trabalho social.

Contato

Doações podem ser combinadas através do perfil do projeto no Instagram ou pelo WhatsApp: (21) 98535-3775 (Kelly Mayara) e (21) 97204-4368 (Bianca Salles).

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Homem de 43 anos morre com coronavírus após dar entrada na UPA da Rocinha

Um homem de 43 anos morreu com coronavírus na última quinta-feira (16),…

Rocinha lidera nº de casos de coronavírus em favelas no Rio; já são 34 infectados

34 moradores da Rocinha estão infectados com o novo coronavírus, o covid-19,…

Homem morre de coronavírus 17 dias após perder pai para a doença na Rocinha

Alexandre Moreira ficou internado por 2 semanas no Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer

Desempregado, padeiro produz pães e doa para moradores na Rocinha

Em média, cada saco montado pela família de Isael Jacinto tem 5 pães