A Rocinha é considerada um dos berços de jovens esportistas, sobretudo, surfistas e bodyboarders. Isso se deve, principalmente, às três escolinhas de surfe e bodyboard coordenadas por moradores da favela e oferecidas na praia de São Conrado. As iniciativas ajudam cerca de 160 crianças e adolescentes a crescerem e virarem referência para outras pessoas.

Para um surfista jovem se destacar é necessário patrocínio e alto investimento. Os trabalhos realizados nesses projetos sociais dão a possibilidade aos alunos de terem melhores perspectivas de vida para o futuro.

O professor da escolinha Vivendo um Sonho Surf, Carlos Belo, mais conhecido como Mister, acredita que ser cria da Rocinha e ter participado de um projeto social ajuda na relação com os alunos. Mister diz que inspira a garotada. “Eu fui beneficiado através de um projeto social, onde me deram oportunidade de eu poder viver do esporte, poder viajar, conhecer diferentes lugares. E acabou que virei referência para outros jovens que, no futuro, serão referências para outra geração”, explica o professor

Outro exemplo de referência para essa nova geração é o atleta Moisés Estevan, da escolinha do Mister. Ele começou a surfar com 13 anos e hoje, aos 17, já competiu na Indonésia e no México. Moisés viu no surf uma possibilidade de enfrentar dificuldades que estava passando na vida pessoal. Esse ano, o surfista foi destaque por pegar uma das maiores ondas de Copacabana.

“Nesse momento eu estou mais concentrado na minha evolução. Como eu comecei a surfar mais tarde do que a galera que tem a minha idade, eu e meu pai decidimos focar no meu desenvolvimento, pegar ondas grandes e tubos. Também estou empenhado em realizar meu sonho que é surfar em Pipeline, no Havaí, porque são ondas muito desafiadoras”, contou Moisés.

O pai de Moisés, o produtor de conteúdo em audiovisual Marcos Braz, conta que o filho recebe muito apoio da comunidade por doações para ajudar nas viagens. “ Ninguém faz nada sozinho, né? Ele teve uma ajuda popular muito grande”. O filho Moisés também enfatiza a alegria em poder contar com o auxílio. “Muitas pessoas que não tem condições doando 50, 80 centavos, 1 real, de coração. Isso me deixou muito emocionado e me motivou demais ver que a galera acredita em mim”, afirma o surfista.

Para Ricardo Ramos, conhecido como Bocão, o sucesso está na importância de ter profissionais habilitados a ensinar o esporte. Bocão é o fundador da Rocinha Surfe Escola, que funciona desde 1994. “As escolas de surf tem que ter um profissional de educação física. Existem muitas pessoas que exercem a função ilegalmente e isso acaba impactando na saúde dos alunos”, explica Bocão.

Além de projetar jovens no esporte, as escolinhas desempenham um papel social muito importante na favela. Elas contribuem significativamente para a formação de futuros cidadãos com perspectivas de mudança de vida, oferecendo oportunidades de crescimento pessoal e profissional.

Para o professor da Escola de Bodyboard da Rocinha, Gabriel Silva, também nascido e criado na favela, os projetos de surfe na comunidade podem trazer diversos efeitos positivos, como, por exemplo, o desenvolvimento de habilidades de trabalho em equipe e criação de empregos.

“As escolinhas de surf podem criar empregos locais, não apenas para instrutores de surf, mas também para profissionais em áreas relacionadas com gestão e marketing. Outro ponto é que muitas escolinhas focam na educação e fazem os alunos priorizarem a educação, o que pode abrir as portas para oportunidades acadêmicas e profissionais”, acrescenta Gabriel.

As aulas das três escolas são gratuitas e não é necessário ter uma prancha para se inscrever. Confira o horário das aulas de cada uma:

Escola de Bodyboard da Rocinha
Terça e quinta das 8h às 10h e das 15h às 17h
Sábado de 9h às 12h (Para participar é preciso estar matriculado em alguma escola municipal, estadual ou federal.)

Rocinha Surfe Escola
Terça, quinta e sexta de 12h às 16h

Vivendo um Sonho Surf
Terça e quarta das 8h às 10h e 15h às 17h.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Novas rotas de ônibus da zona sul afetam circulação de moradores na Rocinha

No próximo final de semana, sábado (03 de outubro), começa a funcionar…

A história do homem das pulseiras de borracha: “Você ama a Rocinha?”

Carlan Renato da Silva, de 55 anos, nasceu na Rocinha, mas morou…

Governo vai despejar escola de surfe do Complexo Esportivo da Rocinha

Mais antigo do que o complexo esportivo, a Rocinha Surfe Escola enfrenta um problema jurídico para permanecer no local

Morador ganha a vida vendendo tapioca na Rocinha

Se você já passou pela Via Apia à noite, perto do Hortifruti,…