Interior de casa na localidade da Cachopa: moradores abandonaram o local. Foto Kita Pedroza
Interior de casa na localidade da Cachopa: moradores abandonaram o local. Foto Kita Pedroza

Membros da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) das Enchentes, em conjunto com representantes da Prefeitura do Rio e Defensoria Pública, irão em diversos pontos da Rocinha para avaliar os estragos das últimas chuvas. A comissão foi criada para apurar as responsabilidades do poder público na prevenção, redução dos efeitos e atendimentos aos atingidos pelas enchentes e deslizamentos ocorridos em fevereiro deste ano.

Os membros da comissão são os vereadores Tarcísio Motta e Renato Cinco (PSOL), Marcelo Arar (PTB), Rosa Fernandes e Tiãozinho do Jacaré (PRB). Na suplência estão Teresa Bergher (PSDB) e Major Elitusalém (PSC).  

As vistorias serão feitas nos dias 27/5 e 29/5, a partir das 9h. Duas equipes de moradores-voluntários são responsáveis por acompanhar e apontar os locais onde os representantes do poder público vão passar. No dia 27/5, as localidades Laboriaux, Vila Cruzada e Portão Vermelho serão vistoriadas. Já no dia 29/5, será a vez das localidades 199, Cesário, Macega, Dioneia e Cachopa.

Parte externa de casa, parcialmente soterrada, na localidade da Cachopa. Foto: Kita Pedroza

A Rocinha é uma das favelas mais castigadas pelas chuvas este ano. Em fevereiro, o Sistema Alerta Rio registrou o dobro de chuvas para o mês no temporal em que muitos moradores perderam roupas, móveis e casas. Foi a chuva mais forte em 22 anos no Rio de Janeiro.


Audiências

No dia 16/5, a comissão ouviu o presidente da Fundação Instituto Geotécnica (Geo-Rio), Herbem da Silva Maia, que estava acompanhado dos diretores Ernesto Ferreira e Ricardo Neiva Orsi. Na ocasião, os servidores públicos foram questionados pela CPI sobre a capacidade técnica e os recursos orçamentários da fundação. Na última quinta-feira (23), foi a vez da Fundação Instituto das Águas do Rio de Janeiro (Rio-Águas) dar explicações sobre o órgão.

A próxima reunião da CPI está agendada para o dia 30 de maio, às 13 horas, quando participarão da audiência servidores da Defesa Civil. A Comissão ouvirá ainda servidores da Comlurb (6/6) e do Centro de Operações Rio (13/6).


Aluguel social

De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação (SMIH), ao todo 136 famílias na Rocinha estão cadastradas e já recebem Auxílio Habitacional Temporário (aluguel social) desde fevereiro de 2019. É possível que após as vistorias da CPI, esse número aumente conforme a necessidade e avaliações técnicas.

Uma das condições para receber o benefício de R$ 400 é deixar o imóvel que foi condenado ou interditado pela Defesa Civil. O auxilio é por tempo indeterminado até que as famílias, cadastradas em programas habitacionais como o Minha Casa Minha Vida, sejam reassentadas. Isto pode acontecer na mesma região ou em locais de disponibilidade conforme a preferência. Para receber o benefício a pessoa precisa ter renda familiar bruta de até R$ 1.800.

Total
44
Shares

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Projeto da ONU procura moradores para trabalhar dentro da Rocinha

Vagas são para atuar no programa Territórios Sociais

Prefeitura desativa projeto ambiental na Rocinha

Moradores e responsáveis pelo projeto social “De Olho no Lixo” foram surpreendidos…

Obra de contenção de encosta custou quase R$ 1 milhão de reais na Rocinha

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, participou nesta quinta-feira (01/11), da entrega…