A demanda por profissionais de tecnologia é maior do que a oferta de pessoas disponíveis para preencher as vagas. Hoje a maior parte dos postos de trabalho nesta área são para programadores e desenvolvedores.

Segundo a Brasscom (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), o Brasil forma apenas 46 mil pessoas com perfil tecnológico por ano. A estimativa é de que até 2024 sejam necessários novos 420 mil profissionais. Seguindo nesse ritmo, teremos apenas metade das pessoas com as qualificações necessárias.

Apesar da alta demanda por essas profissões, muita gente ainda não está familiarizada com esses nomes, com o que esses profissionais fazem, como é a rotina de trabalho. Adiantamos: não é tão complicado assim.

O que faz um programador/desenvolvedor?

Esses são os profissionais responsáveis por planejar, escrever, desenvolver e testar uma aplicação para web, seja ela um software, um aplicativo, um website ou um sistema operacional, entre outras opções. Nada disso é feito sozinho, mas em equipes. Os sites que acessamos diariamente para ver filmes e séries, fazer compras, ler notícias, as redes sociais, todos, seja pelo celular ou computador, são feitos por desenvolvedores. 

Empregos no mundo da tecnologia, ou as profissões do futuro, já são considerados os mais importantes e rentáveis dos últimos tempos. Além de uma ampla oferta de vagas que não exigem experiência anterior, os salários iniciais são de R$2.500, segundo o site Glassdoor. 

Por onde começar?

Igor Rodrigues, 24 anos, morador da Rua Dois, na Rocinha, é uma das pessoas que não tinham conhecimento prévio na área e encontrou na tecnologia a possibilidade de melhorar de vida após estudar na Resilia.

A Resilia é uma empresa de tecnologia com foco em educação, que ensina programação em apenas seis meses do zero, além de fazer um acompanhamento para que você consiga o seu emprego. Os alunos não pagam nada enquanto estudam, se comprometendo a pagar apenas depois de formados e com emprego.

“Saí do meu emprego em janeiro de 2021 e minha esposa me indicou o curso da Resilia. O curso me trouxe uma nova perspectiva de vida, tanto profissional quanto pessoal. O método de ensino é incrível. Hoje estou em uma startup que trabalha com monetização web. Essa transformação toda na minha vida só aconteceu por causa do curso que fiz na Resilia”, conta Igor. 

O jovem Igor Rodrigues, 24 anos, conseguiu emprego na área de tecnologia após receber aulas na Resilia. Foto: Acervo/Igor R.

Marina Costa, Head de Aprendizagem da Resilia explica um pouco sobre o processo de ensino da escola: “aqui, a pessoa aluna aprende para se empregar. Isso significa que não somos mais um curso, hierárquico, com professores, tarefas de casa, provas, notas e tapinha nas costas. Aqui, cada pessoa é protagonista da sua jornada, tal como será no mercado de trabalho. Acreditamos e incentivamos a aprendizagem autodirigida para que vontades, aspirações e talentos sejam desenvolvidos para além da ementa trabalhada. É um passo além do famoso ‘aprender a aprender’. Assim, nossos alunos, além de programar, serão capazes de resolver problemas, decidir o que é importante para atingir seus objetivos, colaborar e se conectar com outras pessoas por meio de comunidades de aprendizagem.”

Se você também tem interesse em estudar programação em apenas seis meses e trabalhar nesta área, a Resilia está com inscrições abertas para a sua próxima turma. As inscrições podem ser feitas clicando neste link. Dúvidas podem ser encaminhadas pelo WhatsApp, no número (21) 97293-7230.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

O ambicioso plano do MIT para digitalizar as ruas e becos da Rocinha

A tecnologia utilizada pelo MIT permite conhecer detalhadamente o tamanho da Rocinha e abre caminho para novas discussões sobre privacidade

Mulheres em TI: moradora da Rocinha vira programadora web em 6 meses

No Brasil, apenas 15% das pessoas matriculadas em cursos de ciência da…