Muito além dos games, agora elas são espaços de educação e capacitação profissional na Rocinha

As lan houses da Rocinha estão diferentes. Populares nos anos 2000, as lan houses, em um ambiente compartilhado repleto de computadores, elas sanavam a necessidade da população no Morro de acessar a internet, na falta de um computador em casa. Nos becos e ruas da Rocinha era comum se deparar com superlotação das lan houses. Frequentada majoritariamente por jovens, as lan houses serviam como ponte para conectar o Morro ao mundo.

“Frequentava bastante uma lan house na localidade do Valão. Esperava na fila e quando conseguia mexer no computador, acessava as minhas redes sociais da época: Orkut, MSN e Facebook para falar com outras pessoas”, conta Rayani Lima, de 27 anos, moradora do Valão, na Rocinha.

As lan houses foram um fenômeno nas favelas ao conectar moradores à internet, promovendo inclusão digital. Mas, com o avanço do acesso à população de baixa renda ao crédito, além da vinda dos smartphones — um computador de mão — elas começaram a minguar nas favelas e outros bairros do Rio de Janeiro. 

Para sobreviver, os estabelecimentos se reinventaram. Muitas se transformaram em uma mistura de papelaria e lanchonete, com acesso a serviços de internet para os clientes que buscassem serviços gerais, como uso de e-mail, emissão de documentos e acesso a redes sociais na internet.

Um exemplo dessa transformação é a Street Cyber, uma lan house localizada na Travessa Oliveira número 20, parte baixa da Rocinha. Lá, os moradores têm acesso e auxílio para navegar na rede, resolver problemas no site do DETRAN, realizar trabalhos escolares, jogar games online, além de matar a fome. A lan house funciona ainda como uma hamburgueria e oferece serviços de papelaria. 

Computadores dividem espaço com lanchonete na Street Cyber, na parte baixa da Rocinha. Foto: Rodrigo Silva

“Antes da pandemia era movimentado. O que me salvou é que coloquei a hamburgueria seis meses antes da pandemia. As lan houses estão sendo extintas porque o celular faz quase tudo que um computador faz. Sabia que em 5 ou 10 anos não teria a clientela da lan house, então decidi investir no ramo da hamburgueria com delivery.” declara Natália Melo, proprietária da Lan House Street Cyber.

A antiga lan house 457, atual Papelaria 457, localizada em frente a ladeira da Cachopa na Estrada da Gávea, também modificou o ramo do negócio. “Essa mudança de lan house para papelaria ocorreu no período da pandemia, pois essa cultura (das lan houses) já estava baixa. A transformação de lan house para papelaria foi uma virada de chave”, afirma Victor Vital, funcionário da Papelaria 457.

Esse processo de transformação das lan houses em point de fast food e papelaria não é um fenômeno apenas em favelas como a Rocinha. Em Porto Alegre, diversas lan houses fecharam e, as que seguem abertas, agora, oferecem acesso a serviços na internet para quem não tem computador em casa ou quem precisa acessar o portal de serviços públicos. 

As lan houses formaram uma febre em todo território nacional. Eram responsáveis 49% dos acessos de brasileiros à internet, em 2007, segundo o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (Cetic). 

Apesar da queda na procura pelos espaços, as lan houses ainda são necessárias. Em 2022, um levantamento realizado pela TIC Domicílios revelou que: 36 milhões de brasileiros não possuem internet, concentrando 42% dessas pessoas na região sudeste.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Autodidata, produtor musical cria estúdio para formar beatmakers na Rocinha

Sonho de montar um estúdio para trabalhar com músicos na Baixada Fluminense ficou em segundo plano até ele se mudar para a Rocinha

Empresas de tecnologia estão de olho em programadores iniciantes

A demanda por profissionais de tecnologia é maior do que a oferta…