Desde o início da pandemia de Covid-19 que atinge todo o país, as pessoas estão expostas a outro tipo de ameaça: as fake news, em tradução, significa notícias falsas. Essa é mais difícil de combater, pois não há cura. Só nos resta combater.

Em poucos minutos interagindo em grupos de WhatsApp, é possível se deparar com familiares, amigos e vizinhos compartilhando descobertas de cura da Covid-19 e métodos que impedem a contaminação pelo vírus. 

Ao ganhar forças, essas notícias falsas demonstram o perigo que é o compartilhamento desenfreado de informações duvidosas. A pandemia da desinformação pode gerar efeitos perigosos, desde causar pânico social, prejudicar a saúde mental, desgastes políticos, linchamentos, difamações, calúnias e injúrias.

O WhatsApp é a principal fonte de informação de mais de 79% da população brasileira, de acordo com pesquisa feita em 2019, pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. As notícias falsas compartilhadas no app são tantas que muitos jornais se viram obrigados a criar campanhas para verificar a veracidade do que é compartilhado nas redes sociais, como é o caso do Fala Roça.

Durante uma semana, acompanhamos grupos de moradores pelo WhatsApp para observar a quantidade informações duvidosas como doação de cestas básicas, distribuição de botijão de gás, criação de receitas milagrosas e até mesmo distribuição de máscaras infectadas são compartilhados sem nenhuma preocupação. O problema maior surge quando essas notícias falsas incentivam a quebra de protocolos de segurança ou subestimam o potencial do vírus. 

Com uso de máscaras, moradores e comerciantes dividem espaço na Feira do Boiadeiro. Foto: Diego Cardoso

Em um áudio, uma pessoa diz que máscaras chinesas contaminadas foram enviadas ao Brasil para serem distribuídas à população. Mensagens como essa, além de não terem nenhuma comprovação da veracidade do conteúdo que transmitem, também podem gerar receio e afastamento da população em relação ao uso da máscara. A mensagem foi desmentida em abril pelo Ministério da Saúde.

“O Ministério da Saúde afirma que não há nenhuma evidência que produtos enviados da China para o Brasil tragam o coronavírus (COVID-19). Argumenta ainda que os vírus geralmente não sobrevivem muito tempo fora do corpo de outros seres vivos, e o tempo de tráfego destes produtos costuma ser de muitos dias. Geralmente, o vírus só é transmitido entre humanos e não sobrevive mais de 24 horas fora do organismo humano ou de algum animal.”

Outro exemplo de fake news bastante compartilhada diz que fazer gargarejo com água e sal protege contra a Covid-19. Isso não passa de um mito. Não há, até o momento, nenhum método comprovadamente eficaz além do distanciamento social.

Resistência ao uso de máscaras

A circulação de moradores sem máscaras nas ruas da Rocinha aumentou nas últimas semanas. A falta de renda, a fome e o desemprego aumentam o drama vivido na favela. O comércio reabriu a partir de um plano de reabertura gradual proposto pela Prefeitura do Rio. Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alerta que com a flexibilização, o coronavírus continuará circulando e o número de casos e mortes poderá aumentar se as medidas de distanciamento social não forem respeitadas. Recentemente, uma estimativa feita pela prefeitura apontou que 16 mil moradores da Rocinha podem estar infectados com o vírus.

O presidente da Associação de Moradores da Rocinha está frustrado com o aumento da circulação de moradores nas ruas. O aparente fim do isolamento social dificulta o trabalho que vem sendo realizado desde o começo da pandemia. “Fico um pouco frustrado com tudo isso porque lutamos tanto para que as coisas viessem ser informadas. As pessoas não estão se importando com a vida. Principalmente, com a vida do próximo porque quando você está assintomático, você transfere a doença para aquela pessoa que está saudável. Isso me entristece quando os próprios moradores estão perdendo familiares e banalizando essa doença. Isso trás um alto risco a todos que não tiveram a doença”, avalia Wallace Pereira.

Esses fatores só contribuem para que o número de casos na Rocinha continue aumentando. A falta de informação e a crença em notícias falsas, aliadas à baixa testagem e péssimas condições sanitárias já evidentes por conta da desigualdade podem ser agentes potencialmente fatais para essa população. Vale lembrar que as pessoas mais atingidas com a pandemia são os que não possuem recursos e condições suficientes para garantir um tratamento adequado nem para privar-se do trabalho por tempo indeterminado. 

Em entrevista ao jornal Voz das Comunidades, o Dr. Drauzio Varella, comentou a decisão do presidente Jair Bolsonaro que vetou o uso obrigatório de máscaras em comércio, escolas e templos. “É uma decisão criminosa. Você acha que o vírus vai pensar assim: “não, na igreja eu vou respeitar e não vou ser transmitido na igreja.” Você acha que ele vai fazer isso? “Porque essa pessoa é uma pessoa religiosa, temente a Deus e respeita os princípios. O vírus não quer saber. O vírus transmite na hora que eu falo, na hora que eu tosso, quando eu aperto a mão da outra pessoa. O que faz um governante tomar uma medida como essa? Eu, sinceramente, acho isso um crime”, afirmou o médico Drauzio Varella.

Dias depois, Jair Bolsonaro testou positivo para Covid-19. Ao todo, 108 servidores da Presidência tiveram a doença desde o começo da pandemia.

Sem previsão de vacina para a cura da Covid-19, as máscaras de proteção continuam sendo uma das maneiras mais eficazes de proteção individual. Incentivar a chegada de informação de qualidade em lugares que enfrentam historicamente o distanciamento das ações públicas é essencial para minimizar os abismos sociais de nosso país e salvar vidas da população mais pobre e periférica.

*João Bandeira, correspondente local sob supervisão de Michel Silva no programa de microbolsas do Fala Roça, em parceria com Repórteres Sem Fronteiras – Brasil

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Homem de 43 anos morre com coronavírus após dar entrada na UPA da Rocinha

Um homem de 43 anos morreu com coronavírus na última quinta-feira (16),…

Rocinha lidera nº de casos de coronavírus em favelas no Rio; já são 34 infectados

34 moradores da Rocinha estão infectados com o novo coronavírus, o covid-19,…

Desempregado, padeiro produz pães e doa para moradores na Rocinha

Em média, cada saco montado pela família de Isael Jacinto tem 5 pães

Homem morre de coronavírus 17 dias após perder pai para a doença na Rocinha

Alexandre Moreira ficou internado por 2 semanas no Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer