A geografia da Rocinha cheia de becos, vielas e rampas já fazem os moradores sem perceber praticar exercício físico no vai e vem dentro e fora do morro. Mesmo assim, muitos não dispensam o hábito de praticar atividades físicas em lajes, academias públicas ou privadas e até nas areias da praia de São Conrado, considerada o quintal da Rocinha.

“Faço musculação em academia privada e futevôlei na praia de São Conrado. Pratico porque gosto muito! Me sinto bem fazendo e diminui minha ansiedade. É importante também para o [meu] físico e [saúde] mental, para não se tornar uma pessoa sedentária”, explica Carla Souza, de 20 anos, moradora da Cachopa, parte alta da Rocinha.  

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 47% dos brasileiros são sedentários. O volume aumenta para 84% quando avaliam apenas jovens. Em busca de melhores hábitos de vida para promoção de bem-estar e saúde, vale tudo: praticar musculação com ferros ou garrafas pets cheias de areia, aulas de hidroginástica, yoga e outros exercícios orientados por profissionais de educação física e a praticar esportes como corrida ou apenas caminhada.

Segundo a avaliação do profissional de educação física e pós-graduando em Treinamento Físico e Reabilitação de Lesões, Rai Silva, 45 anos, realizar tarefas do cotidiano dentro e fora da favela, não é suficiente para combater o sedentarismo de forma benéfica para a mente e corpo. 

“Subir ou descer a Rocinha é um tipo de exercício, só que não é sistematizado, não é direcionado por profissionais [da área de saúde] e isso leva a um risco de lesão. Todo esforço que você faz, de forma repetitiva, tem risco de gerar uma lesão. Ter um programa de exercício sistemático que dure pelo menos uns 30 a 40 minutos, durante três vezes na semana, é fundamental para minimizar o risco de lesões ao longo do tempo”, ressalta Rai.

A consciência da importância do hábito de praticar exercícios, inclusive, já leva os moradores a improvisar. É o caso de Ana Paula Barbosa, conhecida como Paula Montinny, de 42 anos. Moradora da localidade Paula Brito, parte alta do morro, que transformou o espaço dentro de casa em academia. 

“Pratico exercício em casa por ser mais cômodo e econômico. Tenho pesos que [eu] produzi com areia e água dentro de garrafas pet e elásticos que ajudam nos exercícios. Já malhei em academias, mas eram muito cheias e com professor que não dá atenção. Quando me dei conta de fazer exercício em casa, foi muito melhor.”, pondera. E completa: “Coloco no Youtube exercícios e música, faço yoga e tenho a possibilidade de fazer exercício no horário que [eu] quero dentro do meu quarto”. 

Para Daniel Lira, de 25 anos, estudante de Educação Física, ter o hábito de praticar atividade física na favela não é fácil pela falta de acessibilidade. “A Rocinha não tem muitos pontos para realizar exercícios físicos por ter limitações de espaço e locomoção para os moradores.  [Há] Idosos, adolescentes, que não conseguem ter essa facilidade de se locomover até a praia ou um lugar mais aberto”, opina. 

Cria do Morro e praticante de exercícios desde os 12 anos, ele reivindica mais espaços para treino adequado na favela. “Têm as academias da terceira idade na Curva do S, na praça da UPA e no Complexo Esportivo da Rocinha, mas só vejo funcionar [a academia] perto da UPA”, ressalta Lira.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Eraldo Silva: “Crise na saúde pública do Rio atinge patamares alarmantes”

Se a Prefeitura do Rio de Janeiro não recuar na sua decisão…

Em rede social, Eduardo Paes anuncia construção de maternidade na Rocinha

Construção da maternidade atende um pedido da associação de moradores da Rocinha e busca por terrenos é iniciada

Ministério da Saúde promove encontro no Rio para discutir ações nas favelas e periferias

Em uma iniciativa para promover um diálogo entre associações, coletivos e ONGs…

Com 3 reservatórios de água, Rocinha luta diariamente por acesso à água potável

O ano é 2023, mas moradores de diversas áreas da Rocinha, segue sem direito a água potável no mundo da justiça climática