Inauguração da passarela próximo a Via Apia em 1978. (Foto: Fábio Costa Silva)
Inauguração da passarela próximo a Via Apia em 1978. (Foto: Fábio Costa Silva)

Se você viveu nas décadas de 60 e 70 na Rocinha, provavelmente deve se lembrar dos movimentos comunitários. A fundação das associações de moradores, a luta contra as remoções, a construção da passarela, a luta pelo saneamento básico, entre outros, foram reivindicações de movimentos comunitários.

Se antes éramos trabalhadores militantes, articulados e engajados, hoje somos trabalhadores que até reclamam, mas que não se engajam em questões comunitárias.

As capas do jornal Tagarela estampavam, há 30 anos, os mesmos problemas que vivemos hoje: saneamento básico, invisibilidade política e o lixo sem destino pela favela.

No começo dos anos 80, ficamos especialistas em reclamar, porém sem fazer propostas. Depois de conquistas muitos importantes, a geração envelheceu? Isso é natural. O conhecimento acumulado não foi transmitido? Desmobilização ou cooptação das lideranças? Afinal, podemos afirmar que, a partir dos anos 80, os movimentos ficaram individualizados?

Há inúmeros fatores que podem explicar isso. Um deles é o avanço tecnológico que afastou as pessoas de suas responsabilidades sociais. Nas mídias digitais existem milhares de comentaristas, mas poucos deles são engajados nas ruas. De fato, a violência em geral também diminuiu a possibilidade de articulação comunitária.

Hoje em dia temos novos militantes que vem se destacando na Rocinha: Leandro Lima, Davison Coutinho, Leandro Urso e Michel Silva vão aos poucos substituindo Carlos Costa, Edu Casaes, Maria Helena e Martins. Se faz necessário mais pessoas engajadas, que pensem no coletivo e se preocupem com a qualidade de vida do lugar onde vivem.

***

O Museu Sankofa Memória e História da Rocinha não possui espaço físico, mas tem como principal prática, promover a interação dos moradores a partir de suas histórias e afinidades. Visando o conhecimento do passado e cultura da Rocinha, sempre através do olhar de quem conhece a comunidade. O trabalho está diretamente ligado a autoestima dos moradores, possibilitando a mudança de postura e fortalecimento de suas raízes culturais e afetivas.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…

Tribunal de Justiça do RJ proíbe Crivella de remover lojistas no Camelódromo da Rocinha

Os lojistas do Camelódromo da Rocinha conseguiram uma liminar no Tribunal de…

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…