A Prefeitura do Rio notificou 40 lojistas no Mercado Popular da Rocinha, também chamado de camelódromo, e deu um prazo de 24 horas para que os equipamentos e produtos sejam removidos.

Os boxes serão demolidos para a abertura de uma via de acesso para as ambulâncias no terreno da igreja Universal do Reino de Deus, onde está instalado um tomógrafo. O espaço foi batizado de Centro Municipal de Diagnóstico por Imagem.

A ação aconteceu dias após a Prefeitura do Rio conseguir uma autorização para prosseguir com a instalação do tomógrafo no terreno da igreja evangélica. O pedido foi atendido pelo desembargador Rogério de Oliveira Souza que concordou com os critérios técnicos apresentados pela prefeitura. 

Notificações foram fixadas nos boxes do camelódromo da Rocinha nesta segunda-feira (18/5).

De acordo com a Subsecretaria de licenciamento, fiscalização e controle urbano (SUBLFCU), a medida visa garantir a circulação e parqueamento de ambulâncias no local. A notificação, assinada pelo subsecretário Carlos Guerra, diz que “a autorização concedida para o exercício da atividade de comerciante ambulante pode, sempre que exigir o interesse público, ter o seu local de ponto fixo remanejado para outro logradouro”.

Na quinta-feira (14/5), o Fala Roça conversou com lojistas e ouviu o coordenador do Mercado Popular da Rocinha, Luiz Henrique Gildo. Segundo ele, a remoção dos boxes afetará os comerciantes e famílias. “O prefeito está cometendo um crime usando politicamente a obra da Rocinha, que já era para estar instalado na UPA da Rocinha e salvando vidas, mas continuam fazendo obra arbitrária em benefício deles”, disse Gildo.

A notificação afirma ainda que os boxes removidos serão realocados em local escolhido pela prefeitura.

O coordenador do coletivo Fala Subúrbio, Danilo Firmino, informou que entrará com uma ação em defesa dos lojistas. “Entendemos que é mais um episódio da triste novela, em que no meio da pandemia o Prefeito Marcelo Crivella direciona as atividades da prefeitura para o grupo “político” que ele representa”, disse Firmino. O coletivo é autor da ação popular que conseguiu barrar, inicialmente, a instalação do tomógrafo na Igreja Universal.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Homem de 43 anos morre com coronavírus após dar entrada na UPA da Rocinha

Um homem de 43 anos morreu com coronavírus na última quinta-feira (16),…

Rocinha lidera nº de casos de coronavírus em favelas no Rio; já são 34 infectados

34 moradores da Rocinha estão infectados com o novo coronavírus, o covid-19,…

Desempregado, padeiro produz pães e doa para moradores na Rocinha

Em média, cada saco montado pela família de Isael Jacinto tem 5 pães

Homem morre de coronavírus 17 dias após perder pai para a doença na Rocinha

Alexandre Moreira ficou internado por 2 semanas no Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer