Dizer o que tem que ser dito através da música. É assim que podemos definir Luiz Rodrigues da Silva, 26 anos, mais conhecido como MC Oz. Filho de paraibanos e cria da favela, MC Oz conheceu o rap quando ainda era pequeno, por meio da televisão. Fã de Gabriel O Pensador, 2Pac, Racionais e Sabota, ele não tinha noção do espaço que o rap iria ter na sua vida.

MC Oz organiza batalhas de hip hop  na quadra da Roupa Suja (Foto: Michel Silva)
MC Oz organiza batalhas de hip hop na quadra da Roupa Suja (Foto: Michel Silva)
Em curto tempo, o rapper fez parceria em dois grupos – ALIADOS e PensAtivus – mas por problemas internos, os grupos chegaram ao fim. Em um deles, chegou a abrir um show de Marcelo D2 na Rocinha, para um público de aproximadamente 15 mil pessoas. “Foi emocionante ver tanta gente reunida e cantando o refrão da música do meu antigo grupo”, lembra ele.

Sem grupo, Oz decidiu seguir carreira solo e lançou seu primeiro álbum, intitulado “Prus Verdadeiros” com participações especiais de amigos. O cantor decidiu ir além das rimas e formou uma banda de rock, a Transporte Coletivo, que unia o peso das rimas com a letra agressiva dos reefs do hardcore. O projeto durou cerca de dois anos.

Neste meio tempo, fundou com amigos do hip hop, o C.A.S (Coletivo Arsenal Sonoro) na luta pelo fortalecimento dos artistas. Atuando na área social, criou a oficina Cultura Pincelando Rimas, inspirado pelo projeto ‘’Troque uma arma por um pincel’’, do Tio Lino, que morreu neste ano. A oficina era voltada para ensinar crianças da favela os princípios do hip hop, com o uso de acontecimentos históricos e do cotidiano. Por meio da leitura, Oz muitas vezes exercia um papel de educador.

O fim do trabalho com as criança.s na ONG do Tio Lino não afastou Oz da área social. Ele é um dos fundadores do Encontro de Ideias e Rimas, criado em parceria com o rapper M. Souza e a TV Tagarela. Um encontro de artistas para improvisos, em um evento sociocultural e realizado todo mês de graça na Roupa Suja.

“Eu nasci pobre, por isso minha palavra vale minha vida” – MC Oz

O evento atrai muitos jovens – não só da Rocinha – e já recebeu atrações como Crente Crew, RAPadura, Filipe Ret e MC Marechal, mas também abre oportunidades para artistas com menor expressão no meio. Além do rap, são realizadas batalhas de MCs, B-boys, discotecagem e grafite.

O rap é uma paixão incondicional na vida de Oz. Ele já trabalha em uma nova mixtape chamada “V.I.D.A” (Voluntária e Integral Dedicacação a Arte) com participação de grandes nomes do rap brasileiro como Nocivo Shamon, RAPadura, Shawlin e o angolano Kid Mc. O futuro de Oz é promissor, suas letras chamam a atenção de quem ouve. O lema escolhido por ele, “Eu nasci pobre, por isso minha palavra vale minha vida” é o eixo central da vida no rap.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

‘Arep – Operação Rocinha’ estreia em plataformas e TV por assinatura

Em 93 minutos, o filme “Arep – Operação Rocinha” conta a história…

“Diz que é cria, mas”: moradores da Rocinha relembram os bons tempos da favela

Uma nova brincadeira tem agitado as redes sociais em todo o país.…

O dono da voz: K-max conta sua trajetória nas rádios comunitárias da Rocinha

Wilson Crispim da Silva, 33 anos, uma das maiores vozes das rádios…

Gravações da série ‘Arcanjo Renegado’, da Globo, assusta moradores da Rocinha

Dona Rosineide espera pacientemente o sinal de um homem de camisa preta,…