“Só quem sente na pele sabe o que significa” poderia facilmente ser o slogan do brechó Solidário dos Solidários, localizado na Estrada da Gávea, n° 464, próximo a rampa da Cachopa, na parte alta da Rocinha. No bazar não é possível pagar com reais. As roupas são vendidas em troca de alimentos não-perecíveis, produtos de limpeza e higiene pessoal que são incluídos em cestas básicas e doados para famílias de baixa renda na Rocinha.

A iniciativa foi criada pela moradora Valdirene Bastos, de 52 anos, natural de Capitão Poço, no Pará. No início da pandemia de covid-19, a faxineira foi uma das milhares de pessoas que perderam o emprego e passou a depender de doações de alimentos. Ela também cuidava de uma amiga com câncer em fase terminal.

“A mãe da minha amiga faleceu de covid-19 durante o tratamento da filha. Foram pessoas que eu me empenhei muito para ajudar. Entrei em depressão depois disso. Eu recebia muitas doações para ajudar elas”, lembra ela.

Iniciativa criada pela moradora Valdirene Bastos surgiu através da pandemia de covid-19. Foto: Michel Silva

Com roupas e calçados acumulando, os amigos e familiares de Valdirene Bastos sugeriram vender os itens que vinha recebendo para ter uma renda, mas ela decidiu implantar a troca por alimento para beneficiar famílias que a procuravam. Principalmente, pacientes acamados e crianças especiais. “No Natal, consegui fazer cestas básicas com fraldas, leites”. A casa utilizada por Valdirene Bastos para fazer o bazar foi cedida temporariamente por um amigo. 

De acordo com dados do CadÚnico, fornecido pela Secretaria Municipal de Assistência Social, a Rocinha tem 4.529 famílias em situação de extrema pobreza (renda entre R$ 0 e R$ 89,00) e 817 famílias em situação de pobreza (renda entre R$ 89,01 e R$ 178,00).

Sentada dobrando as roupas e combinando novas doações, a faxineira diz que encara a iniciativa como uma terapia onde se sente útil e fazendo a diferença na vida das pessoas. “Isso me faz bem”, destacou.

No perfil do brechó no Facebook, os moradores e pessoas interessadas podem acompanhar as promoções. Doações de roupas, alimentos não-perecíveis, fraldas e latas de leite podem ser feitas pelo whatsapp (21) 98381-7334.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Tribunal de Justiça do Rio decide suspender o programa ‘Justiça Itinerante’ na Rocinha

No armário da sala de Fátima Santos, de 54 anos, moradora da…

Senac oferece cursos profissionalizantes gratuitos na Rocinha

O Senac RJ está com inscrições abertas para cursos gratuitos de capacitação…

Grupo católico recebe jovens LGBTQIAP+ e mães em encontros mensais

Dia 29 de Janeiro é o Dia da Visibilidade Trans. No Brasil,…

Livro aborda a vida de travestis na Rocinha

Ser LGBTQIAP+ na favela significa encontrar a liberdade mesmo em espaço de opressão