Em meio a tempestade de conteúdos das redes sociais, entre publicidades, fotos, vídeos e memes, seis moradores vêm se destacando por mostrar o dia a dia da Rocinha.  Crias do morro: Bruna Dias, Salemm, Danrley, Ruan Juliet, VT e Bruno Rock são a cara da nova geração de influenciadores que disputam narrativas sobre a favela na internet, mas através do olhar do morador. Juntos, os influenciadores somam no Instagram 2.204.000 seguidores, enquanto no TikTok as contas somadas chegam a 43.296.000 de seguidores.

Eles desmitificam o vai e vem do morador pelos becos, lajes, ruas e vielas, alcançando crianças, adolescentes, adultos e até idosos, tanto dentro e fora da favela, contando histórias do território. 

Um dos mais conhecidos é o influenciador Ruan Juliet, de 20 anos, morador do Canal do Valão, na parte baixa da favela. “Comecei fazendo vídeos de brincadeira no Instagram ao mesmo tempo que o TikTok estava surgindo no meio da pandemia. Uma garotada foi descobrindo a minha conta e mandando perguntas. Eu estava estudando com a cabeça fervendo, mas comecei a fazer vídeos para esse público mostrando o meu dia a dia na barraca de camelô”, revela Ruan.

Já Bruno Thierry, conhecido como Bruno Rock, morador da Paula Brito, região central do morro, virou influencer quando decidiu falar para um público de fora da favela. Com 34 anos, ele produz conteúdos para quem nunca frequentou a Rocinha. “É curioso como tudo funciona muito rápido. Comecei a circular ainda mais no morrão e mostrar de forma muito humorada os problemas que temos aqui, que não é muito diferente de outras favelas”, opina.

E conclui: “Eu era mais ligado ao esporte e fui migrando para o digital”. Mas se engana quem pensa que influenciadores de favela só falam sobre favela. Com 19 mil seguidores, Bruna Dias, de 28 anos, cria conteúdo sobre beleza, autoestima e amor próprio na perspectiva de uma mulher negra moradora da Rocinha no perfil @diasdecacho

“Nunca imaginei que chegaria a tanto. Tudo começou compartilhando para a minha bolha a minha transição capilar. Hoje, falo da obra na casa nova, dou dica de produtos, mostro alguns momentos do meu dia a dia na favela”. 

Bruna Dias, cria da Rua 1

Rolando a tela do celular pelos perfis dos influenciadores, os vizinhos (ou não) dos crias, também podem consumir conteúdos de organização e atividades físicas. Danrley Ferreira, 24 anos, morador da localidade Doutor Mário, parte central do morro, é um dos que compartilha a rotina de estudos com dicas de organização aos treinos no Instagram, após sua passagem pelo BBB19. 

Com 1 milhão de seguidores, ele afirma que: “a ideia era inspirar outras pessoas que estejam na mesma situação que eu, querendo aprender cada vez mais e estimular adolescentes que circulam pela favela a praticar exercício”. 

Mas, o jovem não quer influenciar apenas as pessoas na internet. Estudante de pedagogia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ele quer usar o conhecimento do curso para construção de um projeto social para alfabetizar moradores da Rocinha e outras comunidades.

Impacto em carreiras 

Cenário para diversos clipes de artistas nacionais e internacionais, além de séries de streaming, a Rocinha é a casa e o trabalho da CEO da Favela Contet e fotógrafa Salemm. Ela retrata a favela no audiovisual sem estigmas sociais.“Já trabalhei com vários artistas grandes e outros que estão começando. Cada experiência é diferente”, conta.

A influenciadora movimenta uma rede de apoio para realizar as produções que vão desde fotógrafos a mototáxi, além da locação de lajes para as filmagens. Leonardo Victor, 30 anos, por exemplo, conhecido por todos como VT, tornou-se influenciador após uma produção de Salem. 

“Comecei no meio da pandemia. Um amigo meu produtor subiu na laje, gostou do espaço e surgiu a ideia de gravar um trabalho ali. Logo vi a oportunidade de conseguir uma grana e ajudar meus pais dentro de casa com isso”, revela VT. Localizada próximo ao Canal do Valão, na parte baixa do morro, a laje se tornou um clássico dos clipes de rap, trapp e funk devido a visão de 360º da Rocinha. 

A laje também serviu de cenário para o encontro dos seis influenciadores do morro promovido pelo jornal. “Acho que é a primeira vez que vejo todos os criadores de conteúdo da Rocinha reunidos assim. Isso é ótimo, porque é o caminho para união e novas conquistas”, afirmou Danrley Ferreira. 

Empreendedorismo de favela 

Nem sempre o início de carreira foi fácil para os influenciadores, até hoje as redes sociais complementam as suas rendas e sustentos familiares. Mas todos buscaram métodos únicos de abordagem com o público, com patrocinadores e publicidades. “Cara, esse encontro aqui já está me dando ideia de vários vídeos, sem falar na experiência que vocês do Fala Roça tem. É muito maneiro ver todo mundo juntinho assim, eu mesmo só conhecia alguns pela internet, até porque o morro é gigante, mas daqui pode surgir vários conteúdos colaborativos que vão ajudar os moradores e até mesmo alguns setores da mídia para desmistificar toda a visão pejorativa que ainda existe sobre a favela.”.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Fala Roça participa de evento contra a redução da maioridade penal

O jornal Fala Roça participa hoje e amanhã do Encontro Nacional de…

Memória: João Castro Guidão falece aos 52 anos

O assessor comercial, João Castro Guidão, faleceu nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro,…

ASPA pede doações para creche na Rocinha

A Ação Social Padre Anchieta, localizada na Rocinha, é uma instituição católica…

Fala Roça abre inscrições para a Primeira Oficina de Comunicação Comunitária

Estão abertas as inscrições para a Primeira Oficina de Comunicação Comunitária do…