Ao acessar minhas memórias afetivas de infância na trajetória estudantil, lembro de questionamentos e perguntas como: “O que é isso?”, serem sempre recorrentes, além do bullying sofrido no ambiente escolar. Quando olhava o reflexo da minha imagem no espelho e notava o lábio leporino, por não ter uma explicação realmente plausível, a visão mexia com o meu psicológico.

Meu depoimento revela como as chamadas anomalias craniofaciais são uma condição desconhecida da população em geral, especialmente nas favelas, onde os dados referentes à malformação dos lábios são escassos, invisibilizando essa população.

As anomalias craniofaciais são defeitos congênitos que afetam a estrutura da cabeça e do rosto. Elas podem variar amplamente em gravidade e tipo, e muitas vezes requerem intervenção médica e cirúrgica para correção e melhoria da qualidade de vida do paciente.

A fissura labiopalatina, também conhecida como lábio leporino e fenda palatina, é um dos tipos mais comuns de anomalias craniofaciais. A malformação congênita ocorre em uma a cada 1.000 crianças nascidas no mundo, segundo o Centro Pró-Sorriso, da Universidade José do Rosário Vellano (UNIFENAS).

O bebê nasce com uma abertura no lábio superior e/ou no palato (céu da boca) devido à falha na fusão dos tecidos faciais durante o desenvolvimento fetal. Essa condição pode ser unilateral ou bilateral e pode afetar apenas o lábio, apenas o palato ou ambos. Pode impactar a alimentação, a fala, a audição e a dentição. O processo de reabilitação é longo e pode perdurar por até 30 anos na rede pública de saúde.

Apesar disso, o tratamento envolve uma abordagem multidisciplinar, com cirurgias corretivas, terapia fonoaudiológica, cuidados odontológicos e apoio psicológico, proporcionando às crianças a possibilidade de levar uma vida saudável e produtiva.

“O processo de acesso ao tratamento é enrolado e burocrático. Meu filho [Charlie Gomes] estava fazendo o tratamento na Ilha do Governador e adoeceu com pneumonia, precisando ficar internado no hospital da Lagoa, porque foi lá que consegui a cirurgia”, explica minha mãe Josefa de Souza, de 54 anos, moradora da Rocinha.

Com o surgimento do ultrassom, as famílias passaram a identificar o problema durante a gestação com mais facilidade. Mas há famílias que só descobrem no nascimento, como foi o meu caso. “Seu filho é lindo, mas nasceu com defeito”, disseram à minha mãe no parto.

As causas são multifatoriais, incluindo fatores genéticos e ambientais, como histórico familiar, exposição a substâncias tóxicas na gravidez e deficiências nutricionais. O tratamento envolve uma abordagem multidisciplinar, com cirurgias corretivas, terapia fonoaudiológica, cuidados odontológicos e apoio psicológico, proporcionando às crianças a possibilidade de levar uma vida saudável e produtiva.

A carência de informações e a preocupação com os filhos com malformação dos lábios também afetam a saúde mental das mães, devido aos cuidados com a criança. “Tu tinhas onze meses de nascido quando operou. Estava em aprendizagem de engatinhar e andar. Mas perdeu o treino, porque eu não deixava no chão por medo de bater a boca. Andava igual doida, nasci outra vez”, conta minha mãe.

Em outubro de 2023, o Senado aprovou o Projeto de Lei 3.526/20219, que obriga o Sistema Único de Saúde (SUS) a fazer cirurgia reconstrutiva de lábio leporino ou fenda palatina. “De acordo com a justificativa do projeto, são registrados 5,8 mil casos de bebês com fissuras labiopalatais todos os anos no Brasil e, na prática, menos da metade dos recém-nascidos são atendidos pelo SUS”, segundo informações da Agência Senado.

Segundo o Hospital Municipal Nossa Senhora do Loreto, localizado na Ilha do Governador, entre os anos de 2018 e 2022, foram realizadas 672 cirurgias de fissura labiopalatina. O hospital se destaca como o único centro de referência credenciado pelo Ministério da Saúde para o tratamento multidisciplinar das fissuras labiopalatinas no estado, prestando assistência durante toda a infância e a adolescência.

Na Rocinha, a Coordenadoria de Atenção Primária da AP 2.1 informou, via Lei de Acesso à Informação, que há quatro casos de pacientes com fissuras labiopalatinas. Eles são atendidos nas unidades de saúde CMS Dr. Albert Sabin e nas Clínicas da Família Rinaldo de Lamare e na Maria do Socorro Silva e Souza.

É preciso pensar cada vez mais em um tratamento público de impacto assertivo ao enfrentamento da desigualdade no acesso ao tratamento das anomalias craniofaciais.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Novas rotas de ônibus da zona sul afetam circulação de moradores na Rocinha

No próximo final de semana, sábado (03 de outubro), começa a funcionar…

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

Inscrições abertas para a segunda oficina de comunicação comunitária

De dentro para dentro. Assim pode ser resumido o jornalismo praticado pelos…

A história do homem das pulseiras de borracha: “Você ama a Rocinha?”

Carlan Renato da Silva, de 55 anos, nasceu na Rocinha, mas morou…