Moradores convivem próximo ao esgoto na Vila Verde. (Foto: Michel Silva/Fala Roça)
Moradores convivem próximo ao esgoto na Vila Verde. (Foto: Michel Silva/Fala Roça)

Em meio aos Jogos Olímpicos Rio 2016, lançamos mais uma edição do Fala Roça e com ela uma pergunta que não quer calar: qual será o legado olímpico? Legado é uma palavra difícil, mas passou a fazer parte dos noticiários e da rotina da nossa cidade nos últimos meses. Pode-se dizer que o legado é como uma herança, o que ficará para nós tanto em termos de estrutura quanto em termos culturais e históricos.

Segundo uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha nos dias 14 e 15 de julho deste ano, 47% dos cariocas acreditam que a realização do evento esportivo traria mais prejuízos do que benefícios, para 45%, mais benefícios do que prejuízos e 8% não quiseram responder.

A pesquisa surpreendeu ao mostrar que metade dos brasileiros eram contra a Olímpiada. Segundo o levantamento, 63% acreditam em mais prejuízos que benefícios.

Se pelo ponto de vista esportivo o Rio ficou pronto para receber os Jogos Olímpicos, o governo não se preparou para ser uma cidade melhor para a sua população. A desigualdade ainda é notória.

Segundo dados do Comitê Rio 2016, o custo para a realização da Olimpíada e da Paralimpíada Rio 2016 ultrapassou os R$ 39 bilhões. A olimpíada requer um investimento alto em equipamentos caríssimos, enquanto uma grande parte da população ainda vive sem muitos serviços essenciais, como saneamento básico, saúde e educação.

A mídia internacional em parceria com as mídias locais produziram boas reportagens mostrando a realidade dos moradores. Durante a Olimpíada, os estrangeiros subiram os morros, mesmo assustados com as notícias sobre a dengue e o Zika vírus, o alerta dos consulados contra a violência e o risco de atentados terroristas durante as competições.

A crise financeira no governo estadual assusta a população. É difícil falar sobre como será a cidade nos próximos anos.

Pedimos a opinião de moradores da Rocinha para saber qual é a expectativa das pessoas em relação ao futuro após as Olimpíadas na cidade, na nossa comunidade e na vida pessoal dos nossos leitores.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Morador ganha a vida vendendo tapioca na Rocinha

Se você já passou pela Via Apia à noite, perto do Hortifruti,…

A história do homem das pulseiras de borracha: “Você ama a Rocinha?”

Carlan Renato da Silva, de 55 anos, nasceu na Rocinha, mas morou…

Escritório popular de arquitetura oferece projetos gratuitos

Todo mundo sonha em reformar sua casa. Mas contratar um arquiteto custa…