Jonatan Descalzo em sua casa na Cidade Nova, na Rocinha. (Foto: Arquivo pessoal/Jonatan Descalzo)
Jonatan Descalzo em sua casa na Cidade Nova, na Rocinha. (Foto: Arquivo pessoal/Jonatan Descalzo)

Da Espanha ao Brasil, mais precisamente à Rocinha. Jonatan Descalzo, 24 anos, trabalha como gerente em uma rede de hotelaria. Nascido em Barcelona, adotou o Rio como casa em 2012 e não largou a cidade desde então.

Formado em Turismo e Administração, o espanhol foi acolhido não apenas pelos cariocas, mas por uma família cearense. Nessa entrevista para o Fala Roça, Jonatan conta um pouco de sua experiência como morador da Rocinha, com um olhar estrangeiro.

O que fez você vir ao Rio?
Conhecia o Rio porque já tinha visitado em férias passadas. Adorei a cidade e achei exótica. Algum tempo depois, surgiu uma oportunidade de trabalho, e, como sou meio maluco (risos), aproveitei e encarei essa aventura.

O que fez você vir à Rocinha?
Quando vim para cá, comecei morando em Copacabana, porém o alto preço dos aluguéis, que, hoje, já afeta as favelas, me fez procurar outro lugar. Primeiramente, me mudei para o Vidigal, e, logo depois, para uma casa melhor na Rocinha.

Sua visão sobre favela mudou quando você se mudou para uma? Se sim, como?
Sim, antes de conhecer a favela, confesso que tinha medo e insegurança. Mas, logo depois, conheci pessoas da Rocinha e do Vidigal. Pessoas trabalhadoras, incríveis e logo perdi o medo e venci a insegurança facilmente.

Quais são os pontos positivos e negativos que você encontra na Rocinha?
A Rocinha tem uma boa conexão de transportes, agora com o metrô, as opções são maiores ainda. E é incrível a quantidade de comércio e serviços a qualquer hora de qualquer dia. São qualidades quase exclusivas daqui. Em relação aos problemas, o principal deles é a questão do saneamento básico e da limpeza. No Valão, por exemplo, isso é um problema sério. Além disso, quando morei na Vila Verde, sofri muito com a falta d’água, algo que nunca tinha vivenciado antes.

Quais as principais diferenças que você mais sentiu do cotidiano espanhol para o daqui?
Foram muitas mudanças que experimentei. A vida aqui é bem mais agitada e intensa. Coisas comuns aqui como música um pouco mais alta à noite e bebidas alcoólicas nas ruas são proibidas na Espanha. Demorei um pouco para me acostumar.

Através do contato com uma família nordestina, como foi sua experiência com essa cultura e o que você aprendeu com ela?
Aprendi que os nordestinos, em sua grande maioria, são pessoas muito boas e trabalhadoras. Mesmo tendo origem humilde, quando têm a chance, são capazes de fazer o que for preciso para oferecer aos filhos aquilo que eles não tiveram.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…

Moradores da Rocinha vencem 3ª edição do Festival Brasileiro de Nanometragem

Sob aplausos da platéia, o vídeo “Anjos não falam” venceu o 3º…