A passista nascida e criada na Rocinha, Tatiana Rosa, 28 anos, foi a selecionada para estar à frente como rainha da bateria da Acadêmicos da Rocinha no próximo carnaval. Apesar da pouca idade, a jovem é conhecida por todos da escola e iniciou sua trajetória na dança com 6 anos de idade, quando fazia aulas de dança.

Antes de ingressar para o samba, Tatiana Rosa já chamava a atenção como bailarina na Cia Livre de Dança. Na infância, sua professora ficou impressionada com o talento e a convidou para desfilar na escola mirim. Atravésdo samba e tango, ela fez apresentações no Japão, Italia, Portugal, Holanda, República Tcheca, Espanha, Bolívia, Argentina e no continente africano.

Hoje em dia, o frio na barriga é maior com o posto que assumiu na agremiação. “Desfilei na ala das crianças algumas vezes, depois maior, fiz aula com a Ana Lucia Silva e assim nasceu meu amor pela escola. Eu via as passistas sambando muito e sabia que quando eu crescesse, queria ser passista. Sei que não tinha idade mas esperei chegar o meu momento”, lembra a rainha. 

Com uma das missões de resgatar a relação com a favela para o carnaval de 2022, a Princesinha da Zona Sul, fez o anúncio da nova rainha durante evento na quadra da agremiação, em São Conrado, no dia 20/11. 

“Comecei meus treinos na Academia da R1, eu já me cuido o ano todo, mas vai chegando perto do Carnaval e preciso intensificar. A preparação para a Intendente de Magalhães é diferente da preparação para a Sapucaí, sem falar que ainda estamos pensando na fantasia”, conta a rainha cujo figurino promete surpresas. 

Em 2017, Tatiana participou do processo seletivo promovido por Pedro Telles, diretor da Ala  de Passistas, e passou. “Naquele mesmo ano fiz minha estreia de passista na Sapucaí, foi lindo, a escola estava linda, fiquei muito emocionada, foi a realização de um sonho e pude notar que eu estava no caminho certo para as próximas conquistas.” revela. 

Tatiana Rosa nunca escondeu seu desejo pelo posto de rainha e se esforçou muito para alcançar as conquistas que possui hoje. O anúncio feito naquele sábado a pegou de surpresa, mas logo o morro a abraçou sabendo e percebendo que ali estava uma pessoa que é cria da Rocinha e sempre se dedicou pela escola. 

Não basta ser rainha 

Tati Rosa – junto com Angell Araújo, Lelê Martins, Manu Damata e Pedro Telles – oferecem as aulas de samba todas as terças e quintas na quadra da Rocinha. A rainha também possui um projeto que ensina crianças e jovens a dançar na quadra poliesportiva no Mirante da Rocinha. “Tenho paixão pela dança e nada mais justo passar esse conhecimento pra frente. Quando eu era pequena não tinha muitos projetos assim e se eu posso ajudar dessa forma as crianças então me sinto feliz.”. 

Com número de seguidores crescentes nas redes sociais, a relação com a favela e seu entorno não fica para trás. A rainha almeja prêmios e pretende crescer ainda mais com a escola nos próximos anos.

“Ainda não me acostumei com as pessoas na rua me chamando de rainha, me dando vários abraços, é muito bom ser acolhida e reconhecida no lugar que cresci. Sem falar no pessoal da bateria que me abraçou, me senti honrada de verdade”, declara a sambista.

Até o momento os desfiles carnavalescos seguem confirmados. Em 2022, a Acadêmicos da Rocinha será a segunda escola a desfilar na Estrada Intendente de Magalhães, no dia 1/3 . O enredo escolhido se chama “Eu sou o samba, a voz do morro sou eu mesmo, sim senhor: Carnaval e samba a mais bela expressão cultural de uma raça”, de autoria do carnavalesco Marcus Paulo.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Mestre Manel da Capoeira: 40 anos de Rocinha e muita história pra contar

Migrante aos 19 anos, ele chegou ao Rio sozinho, sem dinheiro, pouco estudo e com muitos sonhos

Disputa entre TV Globo e Bibi Perigosa pode impedir que ‘A Força do Querer’ seja reprisada

A moradora da Rocinha e atriz Fabiana Escobar, cuja biografia inspirou a…

Acadêmicos da Rocinha é rebaixada para 3° divisão do carnaval carioca

A GRES Acadêmicos da Rocinha foi rebaixada para a série B, conhecida…

‘Via Sacra da Rocinha: arte e resistência na favela’, o espetáculo virou filme

O documentário nesta quinta-feira (18/07), às 19h, na Biblioteca Parque da Rocinha