Edu Carvalho, jornalista nascido e criado na Rocinha lança amanhã seu primeiro livro ‘Na curva do S: Histórias da Rocinha’, pela editora Todavia, como parte da coleção 2020 – ensaios sobre a pandemia. Através de doze contos, Edu conta um pouco sobre a Rocinha com a leveza e requinte que já são marcas de sua escrita. 

“Sinto que esse livro, que é o primeiro, é uma declaração de amor ao local e às pessoas. Só chego nos lugares onde estou e sou pois sou filho desse chão. É um ambiente que me dá uma variedade grandiosa de filtros, de ideias, de camadas e mais camadas de Brasil. Estamos em um ambiente que condiciona mais de 100 mil pessoas a estarem juntas. É um dos ‘tambores’ do país, está no imaginário coletivo. Mesmo quem não mora, já ouviu falar sobre em algum momento e tece comentários,  tem alguma vontade de saber como é de fato”, explica o jovem jornalista que já passou 

Como a favela é parte da nossa rotina, nem sempre nos damos conta, mas esse é um lugar rico em histórias para contar. Edu conta um pouco de como estimula que essas histórias saltem aos seus olhos: 

“Faço um exercício semanal (em tempos normais) de caminhar pela favela. Por conta do trabalho e dos estudos, muitas vezes passo mais tempo fora do que dentro [da Rocinha]. E para me manter ligado, costumo fazer esse exercício que não deixa de ser físico (risos) de subir ou descer, e também circulando na moto, ônibus e van”. 

Ele explica que essas idas e vindas são uma forma de estar sempre de olho em tudo e nunca normalizar as coisas. “Posso estar em muitos lugares diferentes, cidades diferentes, até mesmo num mesmo dia (já aconteceu), mas no fim, o porto onde atraco é aqui”, completa.

“Tentei pegar o leitor pela mão e conduzí-lo numa viagem pela Rocinha, mostrar a história através de cada canto, personagem, seja andando a pé ou em cima de uma moto”, comenta ele. Perguntado sobre a expectativa da percepções dos leitores, ele explica: “Acho que haverá uma dinâmica de identificação dupla, seja por quem mora [aqui] e lerá e também por aqueles que não moram, mas pela forma que recebeu essa história e/ou sentimento vai poder falar ‘eu já vi isso’; ‘eu imaginava’ ou também ‘nossa, como eu precisava conhecer e saber disso”.

Edu foi vencedor do Prêmio Vladimir Herzog de 2019, atuou como integrante da equipe de criação do programa Conversa com Bial e da série Segunda Chamada e foi repórter da CNN Brasil. Mesmo tendo circulado muito pelo país e pela cidade, segue morando na Rocinha e não tem planos de sair, por enquanto. Essas andanças o proporcionam uma conexão entre a vida dentro e fora da Rocinha, o que ele considera um ponto muito positivo. “Poder ser essa ponte me honra e orgulha muito”, finaliza.

O livro ‘Na curva do S: Histórias da Rocinha’ estará disponível à partir do dia 4/9 na versão digital e a impressa em 17/9.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

O homem com deficiência física que circula pela Rocinha sentado em um skate

Ao andar pela Estrada da Gávea, uma imagem chama atenção: no meio…

Internet, fama e humor: Yago Mapoua fala sobre a carreira

Carioca, nascida e criada na Rocinha, Yago Mapoua, não planejava virar influencer…

Mães solo: histórias e batalhas de 3 mulheres da Rocinha

Mais de 8 mil crianças nasceram com pais ausentes nos últimos 10 anos

Revelado na Rocinha, modelo desponta no mundo da moda

Nascido em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, João Vitor da Silva…