Nos últimos meses um desfile tomou conta das redes sociais, na localidade do Trampolim, parte baixa da Rocinha. Denise Paiva, 47 anos, promoveu um desfile para crianças com roupas confeccionadas inteiramente de crochê. A arte e habilidade da dona de casa vem conquistando as redes sociais e diversos clientes, seja com uma peça de roupa, um boneco, um conjunto, um short, tudo é possível de ser feito nas mãos habilidosas da moradora. 

“Eu cuidei de crianças durante muitos anos, sempre gostei desse cuidado, mas infelizmente tive que dedicar todo meu tempo aos cuidados de minha mãe. Mas não poderia deixar minhas crianças de lado, então a minha terapia foi fazer roupinhas para as crianças que cuidei e para minhas sobrinhas. Nunca gostei de fazer passadeira, colcha de cama, sempre gostei do diferente. Fazia tudo a noite e nem percebia a hora passar’, diz Denise Paiva.

Ainda adolescente a crocheteira – nome dado a pessoa que faz crochê – aprendeu o ofício de tricô com sua mãe. Mais tarde, já habilidosa a jovem aprendeu sozinha a fazer crochê. O hobby virou renda extra no qual ela faz trabalhos por encomenda, vende pela internet e conhecidos. Seus bonecos já viraram presentes requisitados para algumas personalidades da Rocinha, como foi o caso do Leo Godoi que recebeu um em sua homenagem. 

A ideia do desfile com crianças começou em setembro deste ano. Denise produziu um desfile para apresentar seus trabalhos e ajudar a entreter os filhos de vizinhos e amigos.

“Eu fiz dez looks, na verdade uma noite eu sonhei com esse desfile, quando acordei contei pra minha irmã e ela me ajudou a realizar tudo com algumas pessoas. Até consegui que o desfile fosse no salão do Espaço Fest Trampolim”, explica Paiva destacando o disputado salão.

Denise Paiva produz peças de roupas e bonecos inteiramente de crochê em sua casa. Foto: Osvaldo Lopes/FalaRoça

O conhecimento de tricô já ganhou algumas salas de aula. Durante um período, a moradora ofereceu treinamentos gratuitos no projeto Rocinha em Cena. A artesã leva em média duas horas para fazer um boneco por inteiro, seja um personagem ou homenagem a alguém. Para uma peça de roupa ou conjunto, dependendo da medida da pessoa ela pode levar até um dia. 

Decrochê, como é conhecida nas redes sociais, sonha em empreender sem esquecer de ensinar a próxima geração. “Tenho muita vontade de um dia ter meu ateliê, conseguir colocar todas as encomendas e bonecas amostra, ter um espaço para dar aulas, converso muito sobre isso com meu afilhado, Diogo, ele me incentiva muito em fazer várias coisas e só tem onze anos.”, conta.

O desfile no salão de festas foi um esforço coletivo e doações. “Minha irmã é muito parceira. Foi ela que me deu várias linhas e agulhas para realizar o desfile. Eu pedi o filho de uma vizinha emprestado para desfilar, pedi o salão e chamei gente de projeto parceiro nosso e tudo foi acontecendo. Foram poucas pessoas, mas foi tudo lindo e de coração”.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Rocinha vira livro pelos olhos do jornalista Edu Carvalho

Edu Carvalho, a journalist born and raised in Rocinha, launches tomorrow his…

Mães solo: histórias e batalhas de 3 mulheres da Rocinha

Mais de 8 mil crianças nasceram com pais ausentes nos últimos 10 anos

Maria Helena: a enfermeira que cresceu com a Rocinha

“Servir a Rocinha é uma conquista. Sou nascida e criada aqui, em…