Desde as fortes chuvas que atingiram a cidade em 2019, as obras importantes de contenção de encostas na Rocinha começaram a sair do papel. As obras são um desdobramento do relatório técnico da Prefeitura do Rio com mais de 500 páginas feito em 2019 após vistorias nos locais atingidos pelas chuvas fortes no qual aponta os problemas e as propostas de soluções.

No início de 2022, a Secretaria Municipal de Infraestrutura entregou duas obras emergenciais de contenção de encostas na Rua Maria do Carmo, no Laboriaux, parte alta da Rocinha. A obra durou 53 dias e foi entregue na primeira semana de fevereiro. Na Rua Dioneia, os operários ergueram um muro de contenção de 8 metros de comprimento próximo a Escola Municipal Paula Brito. A prefeitura afirma que existe um planejamento e cronograma das obras, entretanto, não foi compartilhado com a comunidade que acompanha o vai e vem dos funcionários no morro.

As próximas obras de contenção de encostas irão ocorrer no 199 e na Vila Cruzado, ambos na parte alta da Rocinha, na vertente Gávea. O investimento total das 7 obras somam R$ 11 milhões. A verba tem como fonte os royalties do petróleo.

O vereador Tarcísio Motta cobrou a prefeitura em uma postagem no Twitter pedindo o compartilhamento do planejamento e cronograma das obras na Rocinha. Na mensagem, Motta questionou se existe um detalhamento das ações planejadas. “Qual o planejamento para a realização das obras de contenção de encostas para a mitigação de deslizamentos e enxurradas na favela da Rocinha?”.

Procurada, a assessoria do vereador informou, por meio de nota, que enviaram um requerimento de informação para o gabinete do prefeito, com várias perguntas sobre ações para prevenir deslizamentos e inundações, mas ainda não receberam respostas.

De acordo com o presidente da Geo-Rio, André Américo Senos, a pasta vem trabalhando para atender as obras com urgências. “A Geo-Rio, nesta gestão, está pegando essas obras necessárias e urgentes para fazer, tomando cuidado máximo de recuperar todas essas áreas que fizeram de contenção de encostas. A gente tem que lembrar também que a Geo-Rio faz a gestão do contrato das sirenes. Lá na Rocinha possui sete sirenes com três delas com pluviômetros que fazem todo o monitoramento.”, disse Senos durante uma assembleia em fevereiro deste ano na Câmara dos Vereadores.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Até 30% dos moradores da Rocinha correm risco de remoção com plano do Governo

Nos últimos anos, a Rocinha recebeu dezenas de programas de urbanização e muitos nunca foram concluídos

Reforma do camelódromo da Rocinha deve custar R$ 1,3 milhão

A Prefeitura do Rio, através da Rio-Urbe, autorizou nesta terça-feira (14/12), a…

Manobras da Cedae não resolvem a falta de água na Rocinha

As manobras são realizadas de domingo a domingo no início da manhã