Um grupo de homens conversam e caem na gargalhada na entrada de um beco às margens da Estrada da Gávea. As risadas são substituídas quando um caminhão de entrega de eletrodomésticos se aproxima. “Quem é o da vez? Vai lá!”, grita um dos homens. Os carregadores, como se são conhecidos na favela, são um dos indicativos do poder de consumo na Rocinha.

Com perfis diferentes e menos dinheiro para gastar, moradores optam por comprar eletrônicos e eletrodomésticos na própria favela para diminuir custos e a praticidade. A unidade da Casas Bahia, inaugurada em 2012, na parte baixa da Rocinha, é a principal loja de varejo no morro. Além dela, tem o grupo Ponto Quente, a Achei Móveis, Ortobom e pequenas lojas de móveis com preços de fábrica.

A moradora e diarista Socorro Silva, 59 anos, aproveitou a diminuição de preços na Black Friday e comprou uma televisão no fim do ano passado na Casas Bahia. Em ano de Copa do Mundo, ela espera aproveitar os novos preços para melhorar o quarto da casa. “Queria aproveitar o preço baixo e trocar minha TV por uma maior. Agora quero comprar uma cama e um colchão, a minha já está com buraco” , diz ela que comprou a TV à vista e com menor prazo de entrega. 

O chapeiro Genilson Teixeira, 26 anos, foi de loja em loja para consultar os preços de guarda roupas de casal. Casado há pouco tempo, a possibilidade de parcelar a compra e receber o produto na porta de casa é um diferencial. “As lojas de fora só entregam nas ruas principais, as lojas do morro deixam dentro da sua casa e ainda vem o montador logo em seguida”, conta ele.

Há também as pessoas que compram pela internet e retiram na loja. É o caso da moradora Marcia Marcelino, 37 anos, que comprou uma batedeira após um curso de confeitaria. A compra foi feita minutos depois que uma vendedora da Casas Bahia enviou o link de compra com desconto pelo WhatsApp.

“Compro nessa loja porque gosto da vendedora e é perto de casa para retirar. Não tenho endereço para receber mercadorias, a não ser o do trabalho na Barra da Tijuca, mas não tem ninguém pra receber quando entregam a noite.”, explica ela.

A renda de aproximadamente R$ 1.700 que recebe de um consultório infantil permite que Marcia Marcelino faça compras parceladas em até 8 vezes no cartão de crédito. “Agora não posso mais comprar nada, o cartão está cheio”.

A passagem por um beco na Rua 3 fica interrompido. Dois carregadores tentam passar um colchão por um beco estreito. “Arria, arria”, tenta guiar um dos contratados por uma idosa de 70 anos. A aposentada comprou o colchão parcelado em 10 vezes numa das pequenas lojas do morro.


Apoie o jornalismo de favelas. Apoie o Fala Roça.

Fazer jornalismo na favela é um imenso desafio. Nós sempre fizemos nossas matérias abordando diversos aspectos da Rocinha. Seja no jornal impresso ou no site. Contribuindo com o Fala Roça, você estará fortalecendo o jornalismo feito na favela, independente, e com um olhar de quem nasceu e mora até hoje no morro. Pode dar essa moral?

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Sebrae Rio oferece consultoria gratuita para empreendedores na Rocinha

O aquecido comércio da Rocinha poderá contar com um reforço nos negócios.…

Venda e consertos de motos na Rocinha movimenta a economia da favela

Com custo de manutenção menor do que carro, deslocamento por moto é preferência de moradores da Rocinha, atraindo a disputa de marcas 

Caixas eletrônicos começam a operar em outubro no metrô de São Conrado

Moradores da Rocinha ganharam mais uma opção para sacar dinheiro. O Metrô…

Metrô de São Conrado ganha ponto de retirada de compras online

47% dos moradores de áreas de risco têm dificuldade de acesso a fretes, diz empresa