Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que garante o acesso de todos os cidadãos brasileiros às ações e serviços de saúde através do Sistema Único de Saúde (SUS) está ameaçada pelo ministro da Economia Paulo Guedes.

A partir de 2020, o financiamento público da saúde, cujos recursos, hoje, são disponibilizados de acordo com a média populacional de cada município, muda. Isso quer dizer que o princípio da universalidade do SUS será extinto, pois os recursos para o setor serão liberados com base no número de usuários cadastrados em cada município. Quem não tiver inscrito no SUS corre o risco de ficar de fora da assistência.

Antes da promulgação da Carta Magna de 1988 somente as pessoas que trabalhavam com carteira assinada e contribuíam com à Previdência Social, eram assistidas pela Rede Pública de Saúde. A nova política de saúde pública representa um enorme retrocesso para a população, que precisa, já, acorrer às unidades de Saúde para requerer o Cartão do SUS. Caso contrário, poderão deixar de ser assistidas em Clínicas da Família, postos de saúde e nos hospitais públicos estaduais, municipais e federais, já a partir do ano que vem.

Funcionários e moradores protestam no acesso à Clínica da Família Maria do Socorro, no interior da Rocinha. (Foto: Acervo pessoal/Eraldo Silva)

No município do Rio de Janeiro, essa nova política de financiamento público da saúde já ensaia seus primeiros passos. A crise ora enfrentada pelo setor já pode ser considerada como um reflexo desse novo modelo, visto que o prefeito Marcelo Crivella, que prometeu cuidar das pessoas, está sendo acusado de ter desviado verbas federais que eram destinadas à saúde publica para outras finalidades. Isso tem resultado na gritante falta de investimentos no setor. Temos, como consequência dessa ação, hospitais, clínicas da família e postos de saúde sucateados.

Servidores terceirizados da saúde, hoje presentes na Atenção Primária à Saúde e também da rede hospitalar, atravessam momentos difíceis com os constantes atrasos salariais e com a falta de condições de trabalho em todas as unidades. É comum encontramos queixas da população no que concerne à falta de medicamentos, de vagas para internação e para a realização de exames ou de encaminhamentos através do SISREG, o Sistema de Regulação de vagas do município.

Atualmente, médicos, enfermeiros, dentistas, farmacêuticos e auxiliares e os que trabalham na Atenção Básica estão sem salários desde outubro deste ano. Todos estão em greve por conta dessa situação. Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e os Técnicos de Enfermagem, que iniciaram o movimento de paralisação das atividades, tiveram seus salários regularizados esta semana. O restante continua sofrendo por conta da incerteza sobre quando seus salários serão quitados pela prefeitura.

Os ACS e os Técnicos de Enfermagem correm o risco de voltar ao trabalho sem a companhia de médicos e dos demais profissionais que ainda estão no aguardo de que a situação seja regularizada.


Apoie o jornalismo de favelas. Apoie o Fala Roça.

Fazer jornalismo na favela é um imenso desafio. Nós sempre fizemos nossas matérias falando das coisas boas da Rocinha. Seja no jornal impresso ou no site. Contribuindo com o Fala Roça, você estará fortalecendo o jornalismo feito na favela, independente, e com um olhar de quem nasceu e mora até hoje no morro. Pode dar essa moral? 👇

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

Estação São Conrado do metrô terá saída com nome da Rocinha

A estação São Conrado da linha 4 do Metrô terá uma das…

Rio antigo: a Fazenda Quebra Cangalha e a origem da Rocinha

Em homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, o jornal FALA…