Mesmo em meio a pandemia, o setor de tecnologia segue crescendo no Brasil. Segundo a GeekHunter, empresa de recrutamento especializada na contratação de profissionais de tecnologia, em 2020, o número de vagas abertas na área cresceu 310%. Os dados vão na contramão da taxa de desemprego no país, que já atinge mais de 14 milhões de pessoas.

De olho nas chances de crescimento e nos salários que se iniciam na faixa dos R$2.500, segundo o site Glassdoor, profissionais de diversas áreas estão decidindo trocar de carreira e se jogar no mercado de tecnologia também. Tanto para quem vai começar do zero, quanto para quem tem experiência em outras carreiras, o caminho para ingressar nessa área pode ser parecido.

Hoje a maior parte das ofertas de trabalho são para programadores e desenvolvedores. A demanda por profissionais é maior do que a oferta de pessoas disponíveis para preencher as vagas. Segundo a Brasscom (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), o Brasil forma apenas 46 mil pessoas com perfil tecnológico por ano. A estimativa é de que até 2024 serão necessários novos 420 mil profissionais na área. Seguindo neste ritmo, teremos apenas metade dos profissionais necessários no mercado.

Então como ingressar do zero em uma carreira no setor de tecnologia?

Há quem consiga aprender a programar sozinho, com ferramentas gratuitas na internet. É possível, mas pode levar mais tempo também. Cursos com foco em preparar pessoas para esse mercado são uma opção. É o caso da Resilia, empresa de tecnologia com foco em educação, que ensina programação em seis meses.

Para estudar na Resilia não é preciso ter experiência ou outros cursos na área. Pessoas a partir dos 18 anos e ensino médio completo, com disposição e determinação para aprender são bem vindos. Durante o curso os alunos desenvolvem as habilidades técnicas e comportamentais que o mercado pede (hard skills e soft skills). A Resilia faz, inclusive, a ponte com empresas parceiras como Nubank, IFood, Stone, entre muitas outras. Somente após estar empregado, o aluno começa a pagar o curso. Já são mais de 250 alunos formados em cerca de dois anos. 

Thiago Araújo, 25 anos, estudou programação na Resilia. Cria da Rocinha, atualmente trabalha como Analista de Experiência e Suporte Técnico na IdWall. “Hoje eu tenho uma vaga de emprego maravilhosa, em uma empresa muito boa e eu tenho certeza que não teria conseguido se não fosse pela Resilia”, conta ele.

“Tanto pela parte soft (habilidades comportamentais), que me ajudaram muito na hora da entrevista, quanto pela parte tech (habilidades técnicas) que foram super elogiadas e os projetos que fiz, que me deram uma super experiência. Eu não estaria no cargo que eu estou hoje se não fossem vocês”, comemora Thiago.

Se você também tem interesse em estudar programação em apenas seis meses e trabalhar nesta área, a Resilia está com inscrições abertas para a sua próxima turma. As inscrições podem ser feitas clicando neste link. Dúvidas podem ser encaminhadas pelo WhatsApp, no número (21) 97293-7230.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Investir no autocuidado é o caminho para mais qualidade de vida

Além dos benefícios individuais, a prática pode diminuir a sobrecarga e gerar uma economia substancial aos sistemas de saúde