Existem muitas garagens na Rocinha. Mas a ONG italiana Il Sorriso dei miei Bimbi inovou e transformou uma garagem na Rua Dioneia em um café literário. O espaço oferece diversas atividades gratuitas para diferentes idades.

O espaço fica na entrada da Dioneia, perto da antiga Casa Rosa, na parte alta da Rocinha. (Foto: Michel Silva)
O espaço fica na entrada da Dioneia, perto da antiga Casa Rosa, na parte alta da Rocinha. (Foto: Michel Silva)

Lá os moradores encontram aulas de inglês, italiano, alemão e até de dança. No dia 29 de cada mês, a cozinha ganha destaque com a realização do “Nhoque da Fortuna”, um prato ítalo-brasileiro muito consumido no Brasil. Outros projetos utilizam o espaço para oferecer atividades aos moradores.

O Fala Roça é um deles. Foi lá que aconteceram as duas oficinas de comunicação comunitária para moradores entre 15 e 29 anos, no primeiro semestre desse ano.

Criada em 2014, a Garagem das Letras foi idealizada por Barbara Olivi, 56 anos, presidente da ONG Il Sorriso dei miei Bimbi em parceria com a ONG Amigos da Vida. A italiana mora na Rocinha há 15 anos junto com o brasileiro Julio Rezende, 46 anos. Ela fundou as duas organizações para oferecer atividades socioeducacionais, atuando na área da educação e da formação de crianças, jovens e adultos.

Quando veio morar na Rocinha, Barbara percebeu que a favela sempre era vista como um lugar violento, mas o acolhimento que ela recebeu no morro fez com que decidisse retribuir o carinho.

O desejo de montar um café literário era antigo. No passado, o espaço onde funciona o projeto era uma verdadeira garagem que a ONG de Barbara comprou graças ao casal de italianos Manuela e Sergio Trere, que doaram o dinheiro para a compra do espaço. Depois disso, a ONG Il Sorriso dei miei Bimbi levou três anos para deixar o local do jeito deles.

Um grupo de arquitetos e engenheiros italianos vieram até a Rocinha para elaborar o projeto da garagem. O resultado está aí: um lindo café, uma biblioteca para ler e pegar livros emprestados, um espaço para profissionalização, eventos culturais, shows de música ao vivo e uma cozinha com pratos saudáveis.

Segundo Barbara, o principal objetivo da garagem é o de criar um espaço que a comunidade possa reconhecer como parte da própria vida: os meninos saindo da escola entram para dar um “tchau”, assistem filmes, encontram amigos e leem livros. “A ideia é criar um ponto de referência cultural para que os moradores tenham um espaço para curtir, relaxar, comer bem, trazer os filhos para aprender idiomas, assistir um filme e estar de bem com a vida”, conta ela.

Além de frequentadores, os moradores também ajudam nos projetos da ONG. (Foto: Divulgação/Garagem das Letras)
Além de frequentadores, os moradores também ajudam nos projetos da ONG. (Foto: Divulgação/Garagem das Letras)

Além dos cursos de idiomas, outras atividades são destaque no espaço. “O cinegaragem é um sucesso desde o começo mas também as aulas de idiomas geram muito interesse. E não pode faltar os salgadinhos e doces da nossa Ana Lucia, que todo mundo adora”, brinca Barbara.

A ONG Il Sorriso dei miei Bimbi possui apoio financeiro através de edital e patrocínio de empresas privadas. No começo, a garagem foi sustentada por meio de um financiamento do Rotary Club, mas atualmente recebe apoio da rede de restaurantes Temakinho, da Itália.

Uma pequena equipe de italianos e brasileiros cuidam de todos os projetos sociais na ONG. Porém, a organização criou parcerias com importantes universidades italianas para ter a ajuda de voluntários, como o Politécnico de Milão e a Universidade Luigi Bocconi. “Naturalmente, estamos interessados em fazer isto também com universidades brasileiras, tanto que já começamos a ter contato com a PUC”, diz Barbara. A equipe italiana trabalha na área da comunicação, organização e captação de recursos.

No entanto, o sucesso do projeto também é resultado da aproximação dos moradores da Rocinha, que abraçaram a ideia de Barbara e contribuem para a manutenção do espaço. Fabiana Gomes Rangel, 36 anos, é responsável pela limpeza e muitas outras atividades. Ana Lucia, 39 anos, é a cozinheira do projeto, ela prepara o “Nhoque da Fortuna” e outros pratos.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…

Moradores da Rocinha vencem 3ª edição do Festival Brasileiro de Nanometragem

Sob aplausos da platéia, o vídeo “Anjos não falam” venceu o 3º…