Foi a primeira vez que Iuri Silva, de 12 anos, entrou na Biblioteca Parque da Rocinha. Morador da Rua 1, na parte alta do morro, a criança não conseguia esconder a felicidade ao subir os 5 andares do prédio usando o elevador. Prestes a completar 10 anos de existência desde a inauguração em 2012, Iuri não sabia que o prédio estava fechado desde março de 2020 devido a pandemia de covid-19. 

A biblioteca reabriu ao público nesta segunda-feira (2/8) seguindo os protocolos de segurança contra a covid-19. “Eu via lá de cima esse prédio branco, mas pensei que tinha que pagar pra entrar igual na lan house”, conta o menino olhando curiosamente por onde andava.

Construído com recursos do PAC, o equipamento público tem uma DVDTECA, auditório multiuso para palestras e exibição de filmes, um espaço com 12 computadores para acesso à internet, sala para cursos, salão de danças, uma cozinha-escola, café literário e um acervo de 14 mil livros e mais de mil DVDs.

Outra novidade que vai melhorar a acessibilidade ao local é o elevador consertado que estava desligado por causa de problemas mecânicos. A biblioteca também recebeu conserto de banheiros e reposição de lâmpadas. Os funcionários são moradores da Rocinha.

No meio do caminho reencontramos o pequeno Iuri no espaço de acesso aos computadores. Ele disse ter problemas para estudar em casa porque não tem internet e usa um celular com capacidade limitada. “Já pedi o tio pra fazer meu login”, disse.

A reabertura da Biblioteca Parque da Rocinha acontece num momento crucial da potencialização da evasão escolar por consequência da pandemia. A Prefeitura do Rio não sabe a porcentagem de alunos que saíram da rede de educação do município. “No final do ano saberemos a porcentagem de alunos que saíram. A realidade é que criança fora da escola vai para o trabalho infantil, criminalidade e pra informalidade”, declarou Renan Ferreirinha, secretário municipal de Educação, ao Extra.

Danielle Barros, secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, comemorou a reabertura da biblioteca que estava prevista para março de 2020, mas um decreto do governo estendeu o estado de calamidade pública. “É com muito orgulho que entregamos de volta à Rocinha esse equipamento cultural tão relevante para os moradores do lugar. A pandemia provocou essa interrupção, mas a equipe não ficou parada e trabalhou com afinco para essa reabertura com o equipamento renovado e com uma programação especial”, afirmou a secretária Danielle Barros.

Morador da Rocinha e administrador da biblioteca, Aloisio de Jesus, destaca que a antiga carteira produzida pela biblioteca continuará valendo. Uma nova máquina de produção de carteirinhas chegará em breve ao local. A biblioteca funcionará de segunda a sexta, de 10h às 20h. “Aqui não pode ser nada cobrado dos moradores, é tudo 0800”, pontua Aloisio de Jesus que deixou as portas abertas para que projetos sociais da Rocinha possam trabalhar em parceria com o espaço.

A programação completa pode ser encontrada no instagram da Biblioteca Parque C4 da Rocinha.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Deputado sugere ao governo a construção de colégio da Polícia Militar na Rocinha

Três colégios militares da PMERJ foram construídos no Rio em 12 anos

Jovem da Rocinha chega 2 minutos atrasado e é impedido de participar de seleção na UFRJ

O desabafo feito pela irmã dele, Bruna Dias, viralizou em uma rede social

Aos 58 anos, a moradora Maria Rizonete passa em faculdade pública e vira universitária

Maria Rizonete da Silva, de 58 anos, sempre chamava atenção quando saía…

Horta na Favela: projeto criado na Rocinha visa reduzir impacto ambiental

Reduzir o impacto ambiental e desenvolvimento social por meio da horticultura. É…