Carlos Costa viveu na Rocinha por 45 anos. Dedicou 30 anos às lutas comunitárias. Saiu da Rocinha, mas a Rocinha nunca saiu dele. “É difícil cortar o cordão umbilical com a favela”, diria ele que fez muito pela Rocinha.

Negro, católico, filho adotivo de um jardineiro e de uma dona de casa, atuou em diversas frentes de lutas e trabalhos sociais. Oriundo dos movimentos da juventude católica, o engajamento começou através do grupo jovem da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, o Força Jovem com Cristo (FORJOC).

Organizou e coordenou as atividades de cultura e lazer no Movimento Pró-Casa da Cultura, no alto da Rocinha. Em 1992, o Rio de Janeiro recebeu a primeira Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Eco-92. Foi dele a iniciativa de criar um grupo de ecologia na Rocinha para fazer debates e ações neste ano. Só a Rocinha segura a Rocinha, em alusão ao crescimento do morro contrapondo as tentativas de preservar a natureza.

Em 1998, criou a ONG Movimento Rocinha Comunidade XXI (Rocinha XXI) no qual junto com a Associação Comercial e Industrial do Bairro Rocinha (ACIBRO) fortaleceu o empreendedorismo e promoveu fóruns, seminários, feiras e cursos de qualificação de lideranças comunitárias e empreendedoras.

Um comunicador nato foi se revelando na comunicação comunitária antes mesmo da convergência midiática e a popularização da internet na década de 90. Carlão, um dos apelidos, fez parte da rádio e do impresso Katana, produziu e escreveu para os jornais Meio Tempo e Correio da Zona Sul.

Referência em jornalismo local, Carlos Costa foi um midiativista à frente de seu tempo. Dois anos depois, em 2000, fundou junto com Edu Casaes e Deo Pessoa o próprio veículo impresso, o Rocinha Notícias, que durou cerca de 20 anos com presença na web. De cara, os moradores adoraram o jornal pelo jeito de partir pra briga direta. O slogan conquistou os moradores: “Rocinha Notícias: o jornal que é a cara da Rocinha”. 

Após entrar para a ONG Viva Rio, em 1999, passou a desenvolver vários trabalhos como mediador de conflitos e articulação de redes sociais da instituição. Através do Viva Rio, criaram o portal Viva Favela, site pioneiro de notícias sobre favelas na ótica dos moradores contrapondo ao jornalismo tradicional.

Concluído em 2008, Carlos Costa lançou o livro “Rocinha em OFF – Histórias que a mídia não soube, não pôde ou não quis contar”, em 2012, no mesmo ano em que a Rocinha foi ocupada por forças policiais para a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora na Rocinha. O livro marcou o encerramento de seu ciclo de líder comunitário.

A obra revela os bastidores da delicada relação entre as lideranças comunitárias e o poder paralelo na Rocinha, desde a década de 1970. Em um dos capítulos, ele destacou que os conflitos entre 2004 e 2005 deixou marcas e traumas na vida, considerado uma época de repactuação de valores, olhares e atitudes.

Nesse período, de 2004 a 2007, o jornalista ocupou o cargo de presidente da Associação de Moradores do Laboriaux, localidade mais alta da Rocinha.

Carlos Roberto da Silva Costa faleceu no sábado (3/7), aos 59 anos. A causa do falecimento não foi divulgada. O sepultamento ocorreu no domingo (4/7), no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, zona oeste do Rio de Janeiro.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Marcos Barros, referência em educação na Rocinha, morre aos 42 anos

Morreu neste domingo (25), aos 42 anos, o jornalista e educador comunitário,…

Valdemir Souza “Kuca”, referência em futebol na Rocinha, morre aos 51 anos

Cria da Rocinha, Valdemir Souza, conhecido como “Kuca”, morreu na sexta-feira (26/06),…

Morre Antonio de Oliveira Lima, antigo líder comunitário na Rocinha e perseguido na ditadura

Assim como muitos nordestinos, o cearense Antonio de Oliveira Lima, de 74…