A Rocinha amanheceu de luto pela partida de uma de suas figuras mais queridas e emblemáticas, Maria do Nazaré Lopes Matos, carinhosamente conhecida como “Nazaré da Rua 1”. O falecimento deixou mexeu com as lembranças afetivas daqueles que tiveram a sorte de cruzar seu caminho diariamente pelos becos da Rua 1, na parte alta da Rocinha.

Criada na Rocinha, a vida de Nazaré é marcada por atos de generosidade que a transformou em um verdadeiro símbolo de amor ao próximo. Por mais de duas décadas, Nazaré empreendeu a nobre tarefa de entregar correspondências dos moradores e estabelecimentos do morro, sem nunca cobrar ou exigir recompensas. Seu lema era simples e poderoso: “Gentileza gera gentileza”.

Todos os dias, Nazaré se sentava em sua cadeira, na principal entrada da Rua 1, cumprimentando a todos com um sorriso e um aceno amigável. Os repetitivos “Ei, bonitinho!” ou “Oi, linda!” ecoam até mesmo quando não víamos ela por ali. Seu carisma natural e personalidade afável a tornaram uma figura inesquecível para todos que a conheciam. 

Nazaré também ajudou a distribuir exemplares do Fala Roça na Rua 1. Foto: Kita Pedroza

Sua dedicação ia além das entregas de correspondências. Ela também se tornou uma espécie de “guardiã” das crianças da região. Diariamente, Nazaré buscava os pequenos nas escolas locais, esperando que seus pais os encontrassem em seguida. Essa gentileza e atenção afetuosa demonstravam o amor incondicional que ela nutria pelos moradores.

Também apelidada carinhosamente de “Naza” e “Índia”, ela gostava de pegar os ônibus e vans que percorriam a Rocinha e a levava a passeios frequentes pelos bairros da zona sul do Rio. O jeito brincante cativavam até mesmo os mais tímidos.

Nos últimos anos, Nazaré enfrentou desafios de saúde que a levaram a se afastar temporariamente da Rocinha, residindo na casa de familiares em São Gonçalo por um período. No entanto, seu coração sempre pertenceu à favela que ela amava. Sua partida deixa um vazio imenso, mas sua memória e legado de amor e bondade permanecerão vivos nos corações daqueles que tiveram a honra de conhecê-la.

Nazaré morreu em 9 de agosto. O sepultamento de Maria do Nazaré Lopes Matos acontecerá no dia 10 de agosto, às 14h, no cemitério São João Batista, na capela 05. Que descanse em paz.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Palhaço Haroldo da Rocinha: ‘Vi as crianças nos celulares e descobri que ali acabou o palhaço’

Na movimentada Via Ápia da Rocinha, a voz de um homem alto,…

“Uma nação chamada Rocinha”, um filme sobre a Rocinha nos anos 80

Documentário de meia hora nos leva de volta para a década de 80

A casa de tortura da Ditadura que existiu ao lado da Rocinha

Imóvel próximo à Rocinha era usado para práticas desumanas e cárcere para presos políticos silenciados na ditadura

A história da única sala de cinema da Rocinha

O Cine Rocinha foi o local onde Juscelino Kubitschek e João Goulart foram homenageados durante uma campanha presidencial em julho de 1955