A Escolinha Fabiano de Paula oferece aulas de tênis gratuitas para 120 crianças e adolescentes da Rocinha. O projeto promove o esporte como atividade de divertimento e contribui para a formação humana e cidadã dos alunos matriculados. Desde sua inauguração em 2015, mais de 500 crianças participaram do projeto e tiveram oportunidades pessoais e profissionais de vida.

Um exemplo é Gustavo Correa, morador da Rocinha, de 21 anos, que entrou na escolinha aos 13. Ele sempre se dedicou aos treinos e aos estudos e hoje é professor da escolinha. Gustavo já tinha o sonho de ser atleta e conheceu o programa por recomendação de um amigo, que mudou sua vida. “Se eu não tivesse conhecido o projeto, não sei onde estaria hoje.”

O programa foi fundado pelo ex-tenista profissional Fabiano de Paula, que também nasceu e cresceu na Rocinha. As aulas ocorrem em uma quadra de saibro localizada no Portão Vermelho, no alto da favela. Hoje, a escolinha extrapola os limites esportivos e, na maioria das ocasiões, alcança as esferas pessoais, éticas e profissionais dos alunos.

Além de formar possíveis tenistas profissionais, o projeto também abre portas para outros caminhos dentro do cenário esportivo. Para o coordenador do programa, Vitor Hugo Ferreira da Silva, 43 anos, a escolinha é muito importante no desenvolvimento pessoal e profissional dos alunos. Segundo ele, é muito difícil que jovens da Rocinha consigam praticar um esporte com esses custos.

“O tênis ainda é um esporte elitizado. As raquetes são caras, estão em torno de R$1600. Um tubinho de bolas está em torno de R$70. Aqui a gente consegue quebrar esses valores, e isso é muito importante. Nós temos vários alunos que, graças ao projeto, ingressaram na faculdade de Educação Física, trabalham como professores e instrutores, trabalham em lojas de tênis, encordoando raquetes. Só depende deles para se desenvolverem como pessoas, cidadãos e atletas. São vários benefícios para os garotos da comunidade.”

Apoios financeiros mantém iniciativa

A Escolinha Fabiano de Paula já passou por dificuldades financeiras. Durante cerca de dois anos, os professores do projeto não receberam salários, e não havia materiais suficientes para a prática do tênis. Nessa ocasião, foi realizada uma ação de financiamento coletivo com o objetivo de arrecadar R$60 mil. Hoje, porém, o programa é patrocinado por duas organizações: a “Rede Tênis Brasil”, uma organização não governamental; e a “Tennis Route”, uma academia do Governo Federal.

As raquetes e bolinhas são doadas, tanto por essas instituições quanto pelos próprios pais de alunos que desejam contribuir. A quadra de saibro nunca passou por nenhuma reforma, mas recentemente, um representante da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer visitou a Escolinha para discutir uma possível restauração.

Alunos que se destacam na escolinha também ganham a oportunidade de treinar na própria academia da Tennis Route. Christian Felix Torres, 21 anos, matriculou-se inicialmente na Escolinha Fabiano de Paula aos 12 anos e, atualmente, é professor de tênis nos dois projetos. Para ele, a parceria com a academia do Governo foi essencial para sua evolução pessoal.

“Com sete meses de tênis aqui no projeto, comecei a competir e fui bem nos torneios. Depois, ganhei a oportunidade de treinar na Tennis Route, que é referência no Brasil, por dois dias na semana. Comecei a jogar os torneios estaduais e nacionais. Com 17 anos, eu conheci o capacitador da Federação Francesa de Tênis aqui no Brasil. Ele cuidava de um setor sub-15 da Tennis Route e eu me capacitei com ele. Hoje faço faculdade de Educação Física e trabalho lá com crianças de quatro a quinze anos.”

Impacto social nas famílias

Valter Davi Marques Albuquerque, 17 anos, é um exemplo de aluno que obteve distinção. Hoje, ele disputa torneios de tênis em diversas regiões do Brasil e até em outros países. O jovem entrou no projeto aos seis anos, após sua mãe receber um panfleto que contava sobre o início da Escolinha Fabiano de Paula. Valter disse que suas experiências com viagens são fundamentais para abrir portas, conhecer outras pessoas e formar laços de amizade.

“O projeto me dá várias oportunidades, seja de seguir para um lado profissional, seja no lado universitário. Poder ter a opção de tentar se formar nos Estados Unidos ou até mesmo por aqui. Vejo outras pessoas que entraram antes de mim e hoje podem trabalhar como professores ou entrar em uma faculdade por causa do tênis. Entendo que o projeto abriu portas para muita gente.”

Pai de Valter, Valdir Inácio Albuquerque, 55 anos, acredita que a escolinha foi fundamental para a evolução do seu filho como atleta e principalmente como ser humano. Ele disse que ficou muito feliz com tudo que o tênis trouxe para a vida do menino e já o vê como uma pessoa melhor.

O pai do atleta falou que o projeto social é muito valioso e impacta na vida de todos em volta. De acordo com ele, essas experiências não existiriam sem o esporte, não seria possível arcar com todas as despesas envolvidas, haja vista a condição financeira familiar.

“Todos sonham em ser número 1 do mundo, a gente sabe que é difícil, mas deixa ele sonhar. O importante é daqui a um ou dois anos ele poder fazer uma faculdade lá fora. Hoje, com o nível de tênis que ele tem, já poderia entrar tranquilamente em uma faculdade D1, que é a melhor. Primeiro tem que botar o diploma debaixo do braço e depois, se tiver talento, tentar seguir a carreira profissional.”

*Reportagem produzida através da disciplina Jornalismo e Cidadania, ministrada pela professora Lilian Saback por meio de extensão universitária do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Moradora da Rocinha ensina como fazer um Arroz de Camarão

Não é preciso circular muito pela Rocinha para perceber a variedade de…

SENAI oferece 236 vagas em cursos técnicos para moradores da Rocinha

O SENAI-RJ (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) está com inscrições abertas para…

Tribunal de Justiça do RJ proíbe Crivella de remover lojistas no Camelódromo da Rocinha

Os lojistas do Camelódromo da Rocinha conseguiram uma liminar no Tribunal de…

ONG oferece atividades gratuitas na parte alta da Rocinha

Crianças e adolescentes entre 3 e 16 anos podem participar de oficinas…