O Instituto Capim Santo realizou nesta segunda-feira (27/9), o lançamento do curso de capacitação e formação de moradores na área de gastronomia na Biblioteca Parque da Rocinha, através de uma parceria com a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. É a primeira vez desde a inauguração da biblioteca em 2012 que a cozinha industrial será utilizada por completo.

No curso, os moradores participarão de aulas de culinária, atendimento em salão, história da gastronomia, nutrição, sustentabilidade entre outros durante 2 anos. “A ideia surgiu ano passado, no meio da pandemia, fechei um restaurante e decidi dar aulas, estou muito animada e acredito que eu tenha a aprender mais com essa comunidade do que eles comigo”, explica a chef baiana Morena Leite, responsável pelas aulas do curso.

Cada edição do curso terá 4 meses de duração, composto por 200 horas de aulas, divididas em aulas práticas, teóricas e ensino à distância (EAD). As turmas serão compostas por, no mínimo, 8 moradores que, além de 75% de presença nas atividades desenvolvidas, deverão apresentar um trabalho de conclusão de curso.

“Era um sonho desde 2019 fazer esse projeto acontecer, queremos democratizar a gastronomia, fazer uma gastronomia humanizada, colocar 200h de aula. Já fizemos grandes eventos como Rock in Rio, Carnaval e hoje chegamos na Rocinha”, disse o presidente do Instituto Capim Santo, Luccio Oliveira, durante o evento.

Inauguração da cozinha contou a com presença da secretária de cultura Danielle Barros. Fotos: Leonardo Ferraz/SECECRJ

As aulas serão ministradas por professores voluntários que já passaram pelo instituto. A associação de moradores da Rocinha dará auxílio na seleção dos candidatos, já que o número de alunos será reduzido. As inscrições começarão em breve por meio das redes sociais do Instituto Capim Santo.

Também serão oferecidos outros cursos voltados para empregabilidade e desenvolvimento humano para os moradores, a fim de através da gastronomia, os jovens possam tornar-se protagonistas de suas vidas, cidadãos empoderados e cientes de seu papel na sociedade.

A secretária de cultura Danielle Barros reforçou a potencialidade que existe na Rocinha “A Rocinha é um solo fertil, há muita potência aqui, falta mais oportunidade para os moradores e por isso foi escolhido justamente este local, partindo de uma demanda da comunidade. Nós estamos semeando hoje e queremos colher no futuro próximo, pois daqui as pessoas já vão sair prontas para o mercado de trabalho e com uma base dada pela Morena Leite que faz um trabalho incrível, estamos muito animados com essa parceria.”, enfatizou Barros.

A cerimônia de inauguração contou com a presença de representantes locais, empresários, chefes de cozinha, convidados e a Orquestra do Projeto Som Mais Eu, de Campos Elíseos. 

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Escola de tecnologia só cobra do estudante depois de empregado

Enquanto a crise provocada pela pandemia de covid-19 cria desafios para os…

Confira o resultado da microbolsa do Fala Roça

O jornal Fala Roça, em parceria com a organização internacional Repórteres Sem…