A Rocinha, considerada um dos bairros que mais gera resíduos na cidade do Rio de Janeiro, recebeu um centro de coletiva seletiva. O projeto ‘Rocinha Recicla’ criado pela empresa canadense Plastic Bank em parceria com SC Johnson, está usando uma metodologia internacional que vai reduzir a chegada de plástico flutuante até a praia de São Conrado.

O projeto instalado no subsolo do Complexo Esportivo da Rocinha, pretende tirar em sua fase inicial, mais de 30 toneladas por mês de plásticos como redes de pesca, garrafas, tampas, bolas , bonecas, brinquedos de borracha, tênis, isqueiros, sacolas e copos.

Cerca de 16 toneladas de resíduos foram retirados da Rocinha em um teste operacional de 15 dias. A fase inicial cadastrou 40 pessoas nomeadas como coletores, responsáveis por fazer o recolhimento dos materiais. A meta da fase inicial é cadastrar 60 coletores.

Andréa Castro de Araújo, moradora da Rocinha, participa há 9 meses do projeto. “Eu creio que as portas vão se abrir quando as pessoas começarem a perceber que o que fazemos é digno. Hoje, muitos precisam de trabalho e o meio ambiente precisa de cuidado.

Coletores já cadastrados na plataforma da Plastic Bank – Foto:Divulgação

Para cada quilo de material coletado, o catador recebe um bônus para promover a sustentabilidade, e esse bônus é acrescido ao seu ganho normal. Todos os resíduos reciclados são rastreados e registrados por meio de uma plataforma protegida por blockchain. A partir disso, o material é processado e reinserido na cadeia de produção global.

“Imagens de ‘onda de plástico’ chegando à praia de São Conrado após tempestades no Rio de Janeiro são comuns e, ano após ano, reforçam a questão do descarte incorreto de resíduos na Rocinha. Isso torna essencial a nossa atuação neste local. Graças à parceria com a SC Johnson, a reciclagem na comunidade gerará impacto ambiental positivo e aumenta a renda dos coletores”, relata Helena Pavese, representante da Plastic Bank no Brasil.

Os catadores também recebem um cartão, podendo ser usado em supermercados. “O meu trabalho mudou a minha vida. No primeiro mês, consegui pagar o aluguel e, a partir daquele momento e até hoje, as minhas necessidades e dos meus filhos são supridas. Hoje, tenho uma vida muito mais digna comparado à quando cheguei na Rocinha.”, lembra Andréa Araújo.

Além da Rocinha, a empresa já tem pontos de coleta em Bertioga e São Vicente, em São Paulo, e em Vila Velha, no Espírito Santo. Desde o fim de 2019, os 4 mil catadores já recolheram 137 milhões de garrafas plásticas no Brasil. A companhia foi fundada em 2013 no Canadá e atua, além do Brasil, na Indonésia, nas Filipinas, no Egito, na Tailândia e em Camarões. Em todo o mundo, a Plastic Bank evitou que mais de 2,5 bilhões de garrafas Pet, ou o equivalente a 50 milhões de quilos de plástico, chegassem aos oceanos.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

MPF cobra do governo do Rio por obras de saneamento na Rocinha

O Ministério Público Federal (MPF) cobrou a Secretaria Estadual de Ambiente e…

Canadense fabrica skates com tampinhas plásticas na Rocinha

O engenheiro mecânico também oferece palestras e desenvolve ações de conscientização ambiental, para jovens e crianças no morro