Com a pandemia da Covid-19, a Rocinha e outras áreas de maior vulnerabilidade social têm enfrentado dificuldades para combater a nova doença, sobretudo pelos dados inconsistentes devido à subnotificação, agravada pela falta de ampla testagem. Com cerca de 100 mil habitantes, a Rocinha é a mais populosa do Rio de Janeiro, segundo o Censo das Favelas realizado pelo Governo do Estado. E em 2001, ela registrou o maior índice de casos de tuberculose, atingindo o auge do contágio com 451 casos por 100 mil habitantes.

A partir da ausência do poder público e o número de casos de tuberculose em alta, na época, diversos movimentos se organizaram para combater a doença. Morador da Rocinha há 30 anos, o geógrafo Antônio Carlos Firmino, que também é um dos fundadores do Museu Sankofa Rocinha – Memória e História, afirmou que “negar a ciência é negar a educação”. Ele fez um panorama da formação da Rocinha a partir das lutas comunitárias pela conquista de direitos coletivos à cidadania: moradia, educação, e saúde em seu sentido amplo. 

“A Rocinha começou, na década de 1970, com o Mutirão de Limpeza de Valas, que acompanhou o aumento da ocupação territorial e verticalização da favela. Este movimento teve algumas conquistas, dentre elas, a inauguração de uma unidade de saúde que permitisse a comunidade a ter acesso a atendimentos complexos, o Hospital Albert Sabin”, explica Firmino.

Outra moradora que atuou na linha de frente contra a tuberculose foi Rita Smith. Nascida e criada na Rocinha, ela é Agente Comunitária de Saúde (ACS) desde 2003. No entanto, após ter contraído a doença e ter pedido a mãe também para a tuberculose, desde 1984 Rita participa de movimentos para conscientizar os moradores. 

“Eu aprendi muito nessa época. A tuberculose é a consequência de uma série de fatores de precariedade como a falta de saneamento, e eu perdi minha mãe para a tuberculose. A Rocinha, como todas as favelas, está esquecida. É um quilombo de casas de alvenaria onde as pessoas são desassistidas pelo governo”, conta Rita Smith. 

Com anos de experiência como ACS, Rita ressaltou a importância do Sistema Único de Saúde (SUS) para a recuperação de 93% dos casos no auge da doença e, no contexto atual, enxerga diferenças entre a estratégia de combate à tuberculose, e as estratégias contra a covid-19.

“O cuidado tem relação com a informação, com acesso à água para a higienização correta, com acesso à renda para a pessoa poder se manter em casa. Com a tuberculose, as equipes de saúde foram treinadas para fazer o rastreamento de contato. Os profissionais foram capacitados para localizarem os doentes e criarem uma rede de apoio para que ele permanecesse isolado, mas que os medicamentos e alimentos chegassem. Hoje, para ter direitos, a pessoa precisa se aglomerar, ir para a fila do banco, e com o desmonte do SUS que deu conta da tuberculose, a população se vê ainda mais desassistida”, avalia.

Dados da tuberculose e a contaminação da covid-19

No Brasil, em 2019, foram registrados 73.864 mil casos novos da doença. Apesar de ter cura, o abandono do tratamento é o principal motivo para a tuberculose ainda continuar fazendo vítimas fatais. A Rocinha esteve entre as primeiras na lista do ranking das localidades mais afetadas até 2016.

O pico da doença foi em 2001, com 455 casos por 100 mil habitantes, mas a queda dos números aconteceu devido ao trabalho das equipes de saúde e a urbanização das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A Secretaria Municipal de Saúde informou que até 2018, a Rocinha ocupou os primeiros lugares em incidência de tuberculose, quando estava em 6º lugar. No entanto, em 2019, o bairro deixou as dez primeiras posições. 

Segundo o Painel Rio covid-19, até o momento do fechamento desta reportagem, são 361 casos do novo coronavírus confirmados na Rocinha, com 309 recuperados. Na cidade do Rio de Janeiro, 36,4% dos casos de covid são em pessoas pretas ou pardas, contra 31,94% brancos (28,2% das pessoas não tem indicativo de cor/raça), e 52% pessoas infectadas são do sexo feminino. A falta de informações precisas reportadas aos portais oficiais dificultam bastante uma avaliação dos dados.

O impacto da covid-19 na vida das famílias

A mobilização social coletiva tem levado assistência às famílias da Rocinha. Rosangela Gomes, de 43 anos relatou como tem sido fundamental esse apoio para se manter com as filhas de 3 e 8 anos de idade, além do auxílio dos vizinhos. 

“Minha sobrinha foi demitida e não recebeu auxílio. Estou em casa, isolada, e consegui o recebimento de cesta básica da escola da minha filha mais nova, mas não conseguimos uma ajuda maior”, disse.  

O grande período de reclusão, assim como a falta de informação e a reabertura do comércio também foram pontuados como uma possibilidade de explicação para o fato das pessoas terem voltado a circular livremente pelas ruas e sem os cuidados necessários.

Para Antonio Firmino, o advento de movimentos antivacina e a proliferação de fake news pelas redes sociais, difundiram ideias negacionistas relacionadas à ciência. 

“As famílias são diretamente afetadas por esses aspectos, aumentando a exposição das pessoas à contaminação. A covid-19 é uma doença de fácil contaminação, e as informações oficiais levaram as pessoas a adotarem as medidas de segurança sugeridas pela OMS. No entanto, a flexibilização da quarentena, abertura gradual do comércio e a exposição em filas de banco em busca do auxílio forma tornando as medidas sanitárias cada vez menos utilizadas”, finaliza Rita Smith. 

*Jaciana Melquiades, correspondente local sob supervisão de Michel Silva no programa de microbolsas do Fala Roça, em parceria com Repórteres Sem Fronteiras – Brasil | Foto de capa: Allan Almeida

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Homem de 43 anos morre com coronavírus após dar entrada na UPA da Rocinha

Um homem de 43 anos morreu com coronavírus na última quinta-feira (16),…

Rocinha lidera nº de casos de coronavírus em favelas no Rio; já são 34 infectados

34 moradores da Rocinha estão infectados com o novo coronavírus, o covid-19,…

Desempregado, padeiro produz pães e doa para moradores na Rocinha

Em média, cada saco montado pela família de Isael Jacinto tem 5 pães

Homem morre de coronavírus 17 dias após perder pai para a doença na Rocinha

Alexandre Moreira ficou internado por 2 semanas no Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer