Levar à passarela do samba uma favela florida pela essência de seus moradores e que não seja representada somente pela violência. Essa é a proposta do Grêmio Recreativo da Rocinha, ou simplesmente Acadêmicos da Rocinha, que resgatou o aclamado samba-enredo da própria escola de 1992: “Pra não dizer que não falei das flores”. 

O sonho da agremiação, que desfila na próxima Quarta-Feira de Cinzas (13/02), na Estrada Intendente Magalhães, em Campinho, no subúrbio do Rio, é conquistar o campeonato da Série Prata e retornar a desfilar na Sapucaí em 2025.

“Quando toca esse samba vai abaixo! Geral, canta! É um samba que todo mundo gosta. É um enredo que eu sempre ouvi aqui, que todo mundo tem muito carinho e que merecia uma reedição”, conta Marcos Paulo, de 48 anos, carnavalesco da escola de samba.

A ideia da Acadêmicos da Rocinha é trazer uma representação simbólica da favela em forma de flor, mostrando o lado poético da vida da favela – o lado do sonho, da harmonia e da paz – do trabalho e vida cotidiana construído pelos moradores da Rocinha e demais favelas cariocas.

 “O nosso enredo transforma o Rio de Janeiro em um jardim e pega a personalidade do carioca e associa a cada flor. Cada flor, segundo a floriografia, tem uma personalidade. Então, associamos [a flores] o espírito que o carioca tem [de ser] alegre e do povo, das comunidades. Vamos transformar a Intendente Magalhães em um grande jardim”, detalha o carnavalesco Marcos Paulo.

Favela Flor

Em 1992, de forma estratégica, o enredo “Pra não dizer que não falei das flores” foi usado pelo GRES Acadêmicos da Rocinha para “tirar um pouquinho de chumbo” para mostrar “as flores” do morro para a avenida, explica Alexandre Pereira, 46 anos, presidente da escola.

À época, a Rocinha sofreu com desastres, enchentes e deslizamentos devido às chuvas na cidade. Além disso, operações policiais violentas não davam paz à favela: “era violência de todos os lados”, relembra Alexandre. O enredo foi usado como ferramenta para resgatar a dignidade dos moradores e rebater as imagens violentas e estereotipadas que são assemelhadas às favelas.  

Em 2024, a expectativa da Acadêmicos da Rocinha, com a reedição do enredo histórico, é “que a escola suba” e volte a ocupar o lugar que deveria ser “de todas as escolas de samba” na Sapucaí, defende Célia Lucas. 

Com 60 anos, ela é uma das fundadoras do GRES Acadêmicos da Rocinha e critica os sistemas de classificação das escolas no carnaval do Rio de Janeiro e a estrutura da Prefeitura organizada para o desfile da Série Prata, Bronze e Grupo de Avaliação, na Intendente Magalhães. 

“Eu acho que a gente não tinha nem que disputar isso! A gente tinha que estar lá [na Sapucaí], aquele lugar é pra isso! É injusto gastar uma fortuna em uma escola de samba e desfilar no fim do mundo, com banheiros podres, sem espaço para se apresentar, e que não tem como levar uma senhora de idade. A acessibilidade lá é horrível e restrita”, reclama Célia Lucas. 

A agremiação está na série Prata do carnaval carioca, organizado pela Superliga. A escola desfilou na Intendente Magalhães, na zona norte, desde o rebaixamento da Série Ouro, em 2020. 

Classificação e campeonato

A estrutura hierárquica da indústria do carnaval divide as agremiações em séries: Especial, Ouro, Prata, Bronze e Grupo de Avaliação. A classificação é realizada pela Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) e a Superliga, com objetivo de promover campeonatos entre as escolas e as séries. 

A classificação das escolas é responsável e os rebaixamentos de séries no campeonato impactam negativamente nas agremiações, que carecem de apoio financeiro tanto da Prefeitura do Rio quanto de patrocinadores.

Desfilar no campeonato da Série Especial e Ouro sob os holofotes da Marquês de Sapucaí, no coração do carnaval do Rio, significa receber mais recursos econômicos. Neste ano, a Riotur, liberou subsídio de R$2,15 milhões, para cada uma das 12 agremiações do Grupo Especial, enquanto as integrantes da Série Ouro juntas receberam R$14,8 milhões.

Ao todo, a segunda divisão do carnaval tem 16 integrantes e o valor destinado para cada uma foi de R$18.832.782,37. Já as escolas das séries Prata e Bronze recebem poucos recursos e enfrentam uma batalha constante para se manterem.

Elas contam apenas com o apoio, dedicação, resiliência incansável das pessoas que se unem para fazer o carnaval acontecer.

A agremiação também ressalta que, todas as pessoas do morro, estão convidadas a conhecer a Acadêmicos da Rocinha. A escola realiza atividades de aulas de samba durante a semana e, pagode, aos domingos, com entrada gratuita.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Novo livro de Geovani Martins, ‘Via Ápia’ fala sobre juventude e vida na Rocinha

Quando, em 318 a. C., o cônsul romano Appius Claudis Blindus, projetou…

Projeto na Rocinha empodera mulheres através da cultura do funk

Todo fim de semana os bailes funks de favelas são tomados por…

Mapeamento cultural da Rocinha revela diversidade de projetos

Levantamento do Fala Roça vai virar guia cultural digital e mostrar a produção cultural no Morro

Clipe de MC Jean, cria da Rocinha, atinge 1,5 milhão de views no Youtube

Foi rápido! A canção “Logo Logo Vai Chegar o Dia” de MC…