Uma casa no miolo da Rua 2 guarda uma história de amor de 43 anos. Ou melhor, guardava. Jurema e Nicinha são protagonistas em um dos episódios da série documental “Meu Amor – Seis Histórias de Amor Verdadeiro”, que estreou no dia 13 de abril na Netflix.

A série de 6 episódios acompanha a vida de casais na Índia, no Japão, Coreia do Sul, Espanha, Estados e Brasil. Na Rocinha, a história de Jurema e Nicinha, que juntas, criaram seus filhos e netos, foi registrada ao longo de 12 meses, em 2019. O documentário explora as nuances do dia a dia de uma história sensível enquanto o casal persegue seus sonhos, refletindo sobre os segredos do amor para a vida toda.

Na laje da casa na Rua 2, Jurema e Nicinha relatam suas histórias enquanto contemplam o entardecer na favela. Foto: Renato Araujo/Fala Roça

Segundo a diretora do episódio, Carolina Sá, o fato do casal ser de mulheres negras, lésbicas e praticantes de umbanda mostra a diversidade da família brasileira. “Nicinha e Jurema simbolizam tanto essa diversidade quanto essas várias formas de resistência. Elas representam uma parcela imensa da população brasileira que sofre preconceitos diariamente, e que resiste graças à sua fé e amor.”, opina.

As filmagens mostram da festa a falta de água no morro, os rituais religiosos no terreiro, o vai e vem de pessoas pela casa e o sonho da aposentadoria do casal. “A gente vive cercada dos netos, dos filhos. Tem o Soca, meu filho que mora lá em cima com a família. Tem a Michelle que mora do lado. Tem a filha da Jurema que mora do lado com os netos”, conta Nicinha.

As duas trabalharam a vida inteira como empregadas domésticas. Hoje, só Nicinha continua trabalhando. No documentário, a cumplicidade do casal expõe os perrengues e conquistas, como o terreno que compraram no distrito de Engenheiro Pedreira, na zona rural do município de Japeri, há 70km de distância da Rocinha.

O documentário explora as nuances do dia a dia de uma história sensível enquanto o casal persegue seus sonhos, refletindo sobre os segredos do amor para a vida toda. Foto: Reprodução/Netflix

Com fala mansa, Jurema lembra o passado pitoresco da favela. “Eu nasci e me criei aqui na Rocinha. A Rocinha era roça de verdade. Tinha pé de bananeira, de laranja. Carregava lata d’água na cabeça. E lá em cima, na Rua 1, que era uma verdadeira roça, eu conheci a Nicinha.”, conta ela no documentário.

As duas se casaram em uma noite de São João, pulando fogueira com juras de amor: “De ficar juntas até que a morte nos separasse”. De acordo com dados do IBGE, os casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo dispararam em 2018 na comparação com o ano anterior. 9.520 casais homoafetivos decidiram se unir formalmente em 2018, diante de 5.887 em 2017, o que representa um aumento de 61,7%.

“Eu sempre digo pra Jurema que o sonho é uma coisa que a gente constrói aos poucos. A nossa casa da Rocinha, a gente que construiu. Agora estamos construindo essa daqui, onde a gente pretende vir morar e envelhecer”, relata Nicinha. A obra já foi concluída.

Para a diretora Carolina Sá, o acolhimento na favela foi uma experiência enriquecedora. “É triste ver como o poder público ainda não sanou necessidades básicas como o abastecimento de água numa área tão populosa. É uma beleza ver a potência cultural e humana que tem na Rocinha. Posso dizer que me senti muito acolhida e segura nos meu anos de convivência intensa com a favela.”.

Essa matéria faz parte da 11° edição impressa do Fala Roça
Clique aqui para ler o jornal em pdf


Apoie o jornalismo de favelas. Apoie o Fala Roça.

Fazer jornalismo na favela é um imenso desafio. Nós sempre fizemos nossas matérias abordando diversos aspectos da Rocinha. Seja no jornal impresso ou no site. Contribuindo com o Fala Roça, você estará fortalecendo o jornalismo feito na favela, independente, e com um olhar de quem nasceu e mora até hoje no morro. Pode dar essa moral? ?

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Olhar Complexo: fotógrafo lança livro que retrata a vivência nas favelas cariocas

Criado no Complexo do Alemão, com um olhar sensível para a beleza do dia a dia, o fotógrafo conseguiu dar forma ao que via através da arte da fotografia

Sem poder ir às ruas, organizadores da Via Sacra da Rocinha vão transmitir documentário na web

No próximo final de semana – dias 2,3 e 4 de abril…