Quem passa pela estação de metrô de São Conrado já deve ter percebido o e-box da empresa Clique Retire, mas talvez não tenha se perguntado ainda para que serve o grande compartimento azul que está disponível na plataforma desde o início de novembro.

O e-box, que nada mais é do que uma grande caixa de metal, é um espaço de autoatendimento que busca facilitar o acesso dos moradores de favela a produtos comprados pela internet e vendidos por grandes empresas de varejo. Com essa nova opção de recebimento de mercadorias, é possível dar adeus a problemas antigos, como a ineficiência e medo de empresas em realizar entregas em favelas ou até mesmo a ausência do morador em casa durante o horário comercial. 

Diferentemente das mercadorias que são enviadas ao consumidor por transportadoras ou pelos Correios, que tem um horário limitado para serem entregues, o comprador que escolher a Clique e Retire pode ter acesso ao seu produto durante todo o tempo em que a estação escolhida por ele estiver aberta. No metrô, por exemplo, o e-box pode ser acessado 20 horas por dia, todos os dias da semana. 

Novidade tem causado curiosidade em que acessa a plataforma de embarque da estação. (Foto: Beatriz Calado)

O Rio de Janeiro foi a primeira cidade do país a receber a Clique e Retire e, ao todo, 40 estações de metrô no município já contam com os e-boxes. Os locais de instalação do autoatendimento foram escolhidos justamente para atender moradores de favelas, como explica Márcio Artiaga, diretor executivo da empresa. De acordo com ele, 47% dos moradores de áreas de risco têm dificuldade de acesso a fretes ou não possuem endereço postal, o que dificulta o recebimento das compras feitas online. 

“No e-Box, 100% das entregas são concluídas, gerando a satisfação do cliente com todo o processo, desde a compra até a chegada do produto. A mesma facilidade acontece no caso de troca ou devolução”, diz. 

Para o assistente administrativo Henrique Pacheco Soares, de 25 anos, a novidade é muito bem-vinda. Morador da Rua 3, ele não costumava comprar produtos online até o ano passado, justamente pela dificuldade de receber as mercadorias. Foi somente a partir deste ano que aderiu às compras online, mas sempre solicitando a entrega para a casa de terceiros ou em seu trabalho, em São Conrado.

“Já deixei de fazer muitas compras online porque não tinha ninguém para receber. Como moro nos fundos de um terreno, fica difícil também de escutar se o carteiro chamar. Achei a ideia (da Clique Retire) incrível, veio para revolucionar. As pessoas que não conseguem ir às lojas vão poder comprar virtualmente e receber em um local mais acessível, como é o caso das estações de  metrô, que são 100% seguras e movimentadas”, disse o jovem. 

No futuro, os e-boxes também vão oferecer opções como retirada e entrega de serviços de lavanderia e compras de supermercado.

Como usar a e-box da Clique e Retire

O comprador deve se registrar gratuitamente no site da Clique Retire (www.cliqueretire.com.br) para obter seu endereço virtual de entrega e passar a usar o serviço de e-Box. Durante a compra, a pessoa paga o valor do frete estipulado pela empresa e o produto é encaminhado para uma central de distribuição da Clique e Retire. 

Ao finalizar a compra na internet, o cliente insere esse endereço virtual de entrega e escolhe em qual e-Box da Clique Retire a mercadoria deve ser entregue. Em seguida, recebe por SMS uma senha no formato QRCode para abrir o compartimento e retirar o produto comprado. A média de prazo para entrega é de 72 horas. O funcionamento dos terminais é totalmente automático, intuitivo e muito simples. 

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

CAIXA já tem novo espaço para atender moradores na Rocinha

Retorno do banco vai beneficiar milhares de moradores

Mototáxi inova e aceita cartão de crédito na Rocinha

Há quem diga que, na Rocinha, tudo pode acontecer. E pode! Nerito…

Morador da Rocinha vende doces há 15 anos pelos becos da comunidade

Perseverante, sonhador e batalhador. É assim que se pode definir Nilton Oliveira,…

Um em um milhão

Entre becos e vielas, encontramos o morador Ari da Silva, 40 anos,…