Na porta da drogaria Pacheco, na Via Ápia da Rocinha, a diarista Augusta Ramos, de 51 anos, sai da loja de mãos vazias pela terceira vez. Há uma semana ela tenta pegar gratuitamente um medicamento para o tratamento de um dos filhos que tem asma, mas a atendente afirma que não está disponível.

Com a renda comprometida por causa da pandemia de covid-19, Augusta recorre ao programa Farmácia Popular, criado em 2004, pelo governo federal no qual os brasileiros podem medicamentos gratuitos mediante cadastro e com a receita e identidade em mãos. O programa também possibilita descontos de até 90% em outros remédios. Não é preciso que a receita seja de um médico do Sistema Único de Saúde, estendendo o benefício para quem apresenta receita de médicos particulares. VEJA A LISTA DE MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS

São oferecidos medicamentos gratuitos para hipertensão (pressão alta), diabetes e asma, além de medicamentos com até 90% de desconto indicados para dislipidemia (colesterol alto), rinite, parkinson, osteoporose e glaucoma. Ainda pelo sistema de copagamento, o programa oferece anticoncepcionais e fraldas geriátricas.

664 farmácias estão credenciadas pelo Ministério da Saúde no município do Rio de Janeiro, sendo que apenas uma está localizada na Rocinha. Nos bairros vizinhos, a quantidade de farmácias credenciadas é maior: São Conrado (2), Gávea (4), Leblon (10) e Barra da Tijuca (31).

A rede de drogarias Pacheco afirmou que o programa segue sendo oferecido na unidade da Rocinha. “Tivemos, na última semana, um problema sistêmico, mas que já foi resolvido e a loja segue prestando atendimento pelo Farmácia Popular.”, disse em nota enviada ao Fala Roça.

Segundo fontes do Ministério da Saúde, a pasta suspendeu o programa Farmácia Popular em centenas de drogarias de todo o Brasil sem detalhar os motivos, prejudicando milhares de pessoas. O ministério não retornou nosso pedido de resposta sobre a manutenção do benefício.

Programa sob ameaça de acabar

A interrupção do programa faz parte do plano de reformulação de políticas sociais que o presidente Jair Bolsonaro tenta emplacar em seu governo. Bolsonaro pretende substituir o Bolsa Família pelo Renda Brasil, que deverá custar cerca de R$ 52 bilhões. Para ser implementado, seria necessário extinguir também o abono salarial (benefício anual de um salário mínimo voltado para quem ganha até dois salários mínimos), seguro-defeso (pago a pescadores artesanais no período de desova, quando a pesca é proibida) e o salário-família (destinado a trabalhadores formais e autônomos que contribuem com o INSS de acordo com a quantidade de dependentes).

Recentemente, o Ministério da Saúde autorizou que os cidadãos adquiram medicamentos por 90 dias, e não mais por 30, como o habitual. A medida tem a intenção de evitar que as pessoas circulem pelas ruas e tenham que ir todos os meses a drogarias e farmácias credenciadas. A autorização vale para todos os medicamentos e produtos incluídos no programa, inclusive para fraldas geriátricas.

Outra medida do órgão, tem como objetivo ajudar principalmente os idosos, ou quem cuida deles. Também por tempo indeterminado, o Ministério permitiu que outra pessoa pegue medicamentos ou insumos, no lugar do paciente, sem procuração registrada em Cartório e com firma reconhecida. Antes era necessário um representante legal para pacientes impedidos de ir pessoalmente às farmácias credenciadas. Quem precisar, pode fazer uma declaração contendo as seguintes informações do paciente e de quem vai pegar o remédio: Nome, nacionalidade, estado civil, profissão, CPF, e endereço que reside.

Remédios gratuitos nas redes estadual e municipal

Na rede municipal, os cariocas podem retirar medicamentos de uso contínuo gratuitamente nas clínicas da família e centros municipais de saúde. “A grade de medicamentos e insumos da Atenção Primária tem 171 itens, entre eles remédios para tratamento de diabetes, hipertensão e outras doenças crônicas.”, informou a Secretaria Municipal de Saúde ao Fala Roça.

Os medicamentos de alto custo são disponibilizados pela Farmácia Estadual de Medicamentos Especiais (RIOFARMES) e podem ser consultados aqui. Os pacientes que se encaixam nos grupos de risco para a covid-19, a recomendação é que indiquem um representante para retirar o medicamento prescrito. Para isso, é necessário levar a declaração autorizadora de retirada por terceiros acompanhada de cópia de RG, CPF e comprovante de residência do representante (no caso de retirada por representante): 

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Idosa de 70 anos morre com suspeita de Covid-19 na UPA da Rocinha

A idosa Maria Luiza Santana do Nascimento, de 70 anos, morreu com…

Infectologista diz que moradores da Rocinha correm risco com coronavírus

Uma das portas de entradas do coronavírus na Rocinha pode ser o turismo

Eraldo Silva: “Crise na saúde pública do Rio atinge patamares alarmantes”

Se a Prefeitura do Rio de Janeiro não recuar na sua decisão…

Menina de 4 anos não morreu por maus-tratos na Rocinha, diz Conselho Tutelar; caso revela extrema pobreza

A menina Larissa Rodrigues da Silva, de 4 anos, não morreu por…