O curso de Filosofia é oferecido pela UFRJ no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS), no Centro do Rio. (Foto: Arquivo/ETU UFRJ)

O morador da Rocinha, Bruno Dias, de 22 anos, foi aprovado em primeiro lugar para o curso de Filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mas não conseguiu fazer participar da entrevista de heteroidentificação após chegar dois minutos atrasado na segunda-feira (10/02). A entrevista estava agendada para acontecer entre 7h30 e 8h. O jovem pegou dois ônibus e um carro de transporte por aplicativo.

A entrevista – um processo de heteroidentificação – é a confirmação sobre a autodeclaração do candidato negro feita por uma banca. O desabafo feito pela irmã dele, Bruna Dias, viralizou em uma rede social.

A família de Bruno Dias procurou a Defensoria Pública da União, no Centro do Rio, após os fiscais do processo na UFRJ afirmarem que a única forma de recorrer ou tentar novamente seria judicialmente. Na instituição, a liminar não foi liberada por conta do teto de renda familiar.

Uma rede de solidariedade se formou na internet e advogados se ofereceram para ajudar o jovem a não perder a oportunidade de estudar. Sem poder efetuar a matrícula, Bruno Dias se sente frustado. “A gente não sabe se realmente tem algo a se fazer já que não tivemos respostas de emails enviados”, lamenta o morador da Rocinha.

Segundo a assessoria de imprensa do Gabinete da Reitoria da UFRJ, é equivocada a informação de que os candidatos faltosos no dia 11/2 serão eliminados. A universidade dará uma nova oportunidade aos candidatos faltosos no dia 11/2, para que façam a heteroidentificação no dia 13/2. No entanto, Bruno Dias estava agendado para o dia 10/2 e até o momento não garantiu a vaga na faculdade porque precisa participar da entrevista para provar que é negro.

Ainda na nota, a reitoria atribuiu o problema das entrevistas aos evento climáticos que ocorreram no Rio de Janeiro entre o final da tarde do dia 10/2 e de todo o dia 11/2, dificultando o acesso de candidatos ao campus Cidade Universitária. “Esses candidatos deverão comparecer para procedimento de heteroidentificação em data, local e horário únicos”, finalizou em nota.

O Diretório Central dos Estudantes Mário Prata, da UFRJ, divulgou uma nota exigindo um novo dia de atendimento para os estudantes prejudicados por chuvas e falta de informações para o comparecimento à heteroidentificação. A entidade pediu que as pessoas prejudicadas entrem em contato por email relatando o problema contendo o número de inscrição e a modalidade de ações afirmativas que foram classificados. “Entraremos com uma nova reclamação coletiva, com base nesses relatos, para que um novo horário de atendimento seja viabilizado pela UFRJ”, informou a entidade.

Atualização

A UFRJ se sensibilizou e decidiu dar uma nova chance para os candidatos faltosos na heteroidentificação dos dias 10, 11 e 12/2. A informação foi divulgada por meio de nota no site da universidade nesta quarta-feira (12/2). Os estudantes deverão comparecer nesta quinta-feira (13/2), das 12h30 às 12h59, na Cidade Universitária, na Ilha do Fundão ( Prédio do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN) – Bloco F). Leia a nota:

“Em atenção à moção emitida e aprovada por unanimidade pelo Conselho de Ensino de Graduação (CEG) da UFRJ, em sessão ordinária de 12/2/2020, a respeito dos problemas enfrentados pelos candidatos convocados para procedimento de Heteroidentificação no Concurso de Acesso 2020, a Presidência da Comissão de Heteroidentificação, a Pró-Reitoria de Graduação (PR-1) e a Reitoria da UFRJ se sensibilizam e deliberam pela realização de procedimento de heteroidentificação para TODOS os candidatos faltosos dos dias 10, 11 e 12/2/2020. Dessa forma, TODOS os candidatos faltosos dos dias acima elencados deverão comparecer para procedimento de heteroidentificação em data, local e horário únicos.”

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Deputado sugere ao governo a construção de colégio da Polícia Militar na Rocinha

Três colégios militares da PMERJ foram construídos no Rio em 12 anos