Mais de 800 moradores da Rocinha e Vidigal já assinaram um abaixo-assinado desde o início do ano pedindo o retorno do programa Ônibus da Liberdade, criado em 2004, pela Prefeitura do Rio. A iniciativa tem o apoio da Associação de Moradores da Rocinha, Associação de Moradores do Vidigal e de responsáveis dos alunos das duas favelas.

A mobilização surgiu após os responsáveis dos alunos procurarem o Conselho Tutelar para denunciar a necessidade da volta do programa. O órgão recebeu muitas solicitações e reuniu organizações comunitárias para tentar solucionar o problema.

Suspenso há anos, o projeto transporta gratuitamente alunos das escolas da Rede municipal localizadas em áreas onde não existe atendimento de transporte público coletivo ou em outras onde o transporte de passageiros opera com intervalos que não atendem à necessidade de deslocamento dos estudantes, tendo em vista a concentração deles nos horários de entrada e saída dos turnos. 

Durante uma audiência pública realizada na Câmara Municipal do Rio em novembro de 2022, o secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, disse que em 2023 seriam disponibilizados 270 ônibus, além de 32 vans e 23 ônibus adaptados para atender os alunos da educação especial por meio de contratos de locação com empresas de transportes.

“Está muito precário o transporte para as crianças da Rocinha, não há condições de bancar transporte para as crianças. As crianças e adolescentes ficam expostos, pois muitas vezes os motoristas não param” afirmou Maíra Rangel, moradora da Rocinha.

Segundo o Plano de Desenvolvimento Sustentável e Ação Climática da Cidade do Rio de Janeiro, a prefeitura prevê o aumento do número de rotas, criação de novas linhas para atender mais crianças, a expansão do modelo para outras regiões e universalizar o acesso ao transporte escolar até 2026. Mas para a comunidade escolar o direito à educação é urgente.

Na petição, outras moradoras da Rocinha publicaram suas indignações. “Tenho um filho com síndrome de Down que estuda no Leme e é um parto para chegar na escola com ônibus lotado”, disse Márcia Freitas. Já Natamila Oliveira criticou as condições precárias da linha 538, que faz o trajeto entre a Rocinha e Leme, passando por Botafogo. “Os ônibus na Rocinha estão precários, o 538 lata velha, sem ar, sem poltronas e só passa de segunda a sexta exceto feriados e fim de semana.”.

Representantes das associações de moradores e responsáveis por estudantes entregaram o abaixo-assinado à Secretaria Municipal de Educação. O caso está sendo acompanhado por vereadores do Rio. Contatada, a Secretaria Municipal de Educação (SME) informou por telefone ao Fala Roça que o programa não atua mais na região e não há previsão de retorno.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Polo CEDERJ na Rocinha oferece cursos de graduação para moradores há 11 anos

A Rocinha e as chances de cursar o ensino superior podem parecer…

Jovem da Rocinha chega 2 minutos atrasado e é impedido de participar de seleção na UFRJ

O desabafo feito pela irmã dele, Bruna Dias, viralizou em uma rede social