Os lojistas do Camelódromo da Rocinha conseguiram uma liminar no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Está proibida a remoção de boxes na área comercial sem que se apresente o projeto provando essa necessidade e indique um local onde seriam realocados. Segundo decisão da juíza Livia Bechara de Castro, a Prefeitura do Rio deve parar as remoções sob pena de multa de R$ 10 mil por cada boxe demolido.

Ainda na decisão, a magistrada destacou a importância da instalação do Centro Municipal de Diagnóstico por Imagem. Entretanto, não há necessidade de remover os lojistas porque o terreno da Igreja Universal do Reino de Deus já possui a infraestrutura necessária. Ou seja, não tem necessidade de abrir uma rua, como a prefeitura queria fazer para facilitar o deslocamento de ambulâncias.

“Nesse diapasão, de modo a resguardar os direitos dos autores, sem, contudo, se olvidar do interesse público evidente na instalação do Centro de Diagnóstico por Imagem, determino que o Município se abstenha de demolir os referidos boxes até que seja demonstrado nos autos a necessidade da medida, bem como indicação do local de remanejamento e o seu prazo.”, determina a juíza do Plantão Judiciário.

Trecho da decisão da juíza impedindo remoção de boxes no Camelódromo da Rocinha.

A Prefeitura do Rio terá 24 horas para mostrar a necessidade de demolição dos boxes, além de indicar o local para o qual os boxes serão remanejados e o prazo de remanejamento.

Após a decisão liminar, o vereador Felipe Michel (PP), que é aliado do prefeito Marcelo Crivella, gravou um vídeo em que diz que Crivella havia voltado atrás na decisão de remover os lojistas do mercado popular. “Acabei de confirmar com o prefeito agora e está resolvido. O prefeito não vai mais retirar esses boxes do mercado. Prefeito vai fazer pela entrada da igreja. O problema ‘tá’ resolvido, graças a Deus”, diz o vereador.

O gabinete do prefeito foi procurado para confirmar a informação, mas não responderam nosso contato até o fechamento da reportagem.

Choque de ordem na entrada do morro

Durante a tentativa de remoção, a agentes da Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano realizaram uma operação de ordenamento urbano na entrada da Rocinha. “Foram vistoriados boxes de ambulantes na entrada da comunidade e desobstruídas vias para a livre circulação de pedestres e veículos”, informou o órgão subordinado à Secretaria Municipal de Fazenda.

Foram apreendidos 857 itens em situação irregular, como bebidas diversas, potes plásticos, biscoitos e iogurtes e, além de 45 quilos de doces e frutas. A ação teve participação da Secretaria Municipal de Infraestrutura, Habitação e Conservação, Rioluz e autoridades policiais.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Rocinha é apagada do mapa oficial de turismo da Riotur

O Fala Roça vem a público e repudia os exemplares do mapa…

A Rocinha não pode ser enganada mais uma vez

O arquiteto e urbanista, Luiz Carlos Toledo, espera que as obras na Rocinha saíam dos papéis

Fernando Gomes: “Favela não é tudo igual, e muito menos a Rocinha é igual em sua totalidade”

Eu sempre ouvi pessoas dizendo que todas as favelas são iguais. Mas…

Lutadores de muay thai buscam recursos para disputar Campeonato Mundial na Tailândia

Quando o jovem Reinaldo Oliveira Nunes da Silva, 26 anos, decidiu entrar…