Os lojistas do Camelódromo da Rocinha conseguiram uma liminar no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Está proibida a remoção de boxes na área comercial sem que se apresente o projeto provando essa necessidade e indique um local onde seriam realocados. Segundo decisão da juíza Livia Bechara de Castro, a Prefeitura do Rio deve parar as remoções sob pena de multa de R$ 10 mil por cada boxe demolido.

Ainda na decisão, a magistrada destacou a importância da instalação do Centro Municipal de Diagnóstico por Imagem. Entretanto, não há necessidade de remover os lojistas porque o terreno da Igreja Universal do Reino de Deus já possui a infraestrutura necessária. Ou seja, não tem necessidade de abrir uma rua, como a prefeitura queria fazer para facilitar o deslocamento de ambulâncias.

“Nesse diapasão, de modo a resguardar os direitos dos autores, sem, contudo, se olvidar do interesse público evidente na instalação do Centro de Diagnóstico por Imagem, determino que o Município se abstenha de demolir os referidos boxes até que seja demonstrado nos autos a necessidade da medida, bem como indicação do local de remanejamento e o seu prazo.”, determina a juíza do Plantão Judiciário.

Trecho da decisão da juíza impedindo remoção de boxes no Camelódromo da Rocinha.

A Prefeitura do Rio terá 24 horas para mostrar a necessidade de demolição dos boxes, além de indicar o local para o qual os boxes serão remanejados e o prazo de remanejamento.

Após a decisão liminar, o vereador Felipe Michel (PP), que é aliado do prefeito Marcelo Crivella, gravou um vídeo em que diz que Crivella havia voltado atrás na decisão de remover os lojistas do mercado popular. “Acabei de confirmar com o prefeito agora e está resolvido. O prefeito não vai mais retirar esses boxes do mercado. Prefeito vai fazer pela entrada da igreja. O problema ‘tá’ resolvido, graças a Deus”, diz o vereador.

O gabinete do prefeito foi procurado para confirmar a informação, mas não responderam nosso contato até o fechamento da reportagem.

Choque de ordem na entrada do morro

Durante a tentativa de remoção, a agentes da Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano realizaram uma operação de ordenamento urbano na entrada da Rocinha. “Foram vistoriados boxes de ambulantes na entrada da comunidade e desobstruídas vias para a livre circulação de pedestres e veículos”, informou o órgão subordinado à Secretaria Municipal de Fazenda.

Foram apreendidos 857 itens em situação irregular, como bebidas diversas, potes plásticos, biscoitos e iogurtes e, além de 45 quilos de doces e frutas. A ação teve participação da Secretaria Municipal de Infraestrutura, Habitação e Conservação, Rioluz e autoridades policiais.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…

Moradores da Rocinha vencem 3ª edição do Festival Brasileiro de Nanometragem

Sob aplausos da platéia, o vídeo “Anjos não falam” venceu o 3º…