Perseverante, sonhador e batalhador. É assim que se pode definir Nilton Oliveira, de 47 anos, trabalhador autônomo. Carioca da gema do ovo, cria da Rocinha e filho de mineiros, a vida dele é de um andarilho.

Há 15 anos, o doceiro percorre os becos da Rocinha carregando uma caixa com 60 kg de doces, como sonhos, maçãs do amor e balas de cocos caraterizadas que oferece por R$ 2,00 cada. Com seus gritos, Nilton anuncia sua chegada: “Quem quer sonhar, quem quer! – ou então: “Olha a maçã do amor freguesa!”. A vida do doceiro é digna de aprendizado.

Os primeiros empregos foram como entregador de farmácia, entregador de jornais e feirante. O envolvimento com os doces começou quando Nilton conseguiu um emprego como lavador de pratos em um hotel. O supervisor, atento à dedicação do empregado, ofereceu uma oportunidade para que ele trabalhasse na confeitaria. “Ganhava pouco como lavador de pratos. Com a oportunidade na confeitaria, ia somente na minha folga e não recebia salário. Eu ia por conta própria porque queria ter uma profissão adequada”, lembra Nilton. Bastante interessado pelo ofício de confeiteiro, o doceiro trabalhou em outros hotéis, como o Sheraton, no Leblon.

Com a saída do emprego, Nilton começou a vender doces pelos becos da Rocinha. Sempre fazendo o mesmo trajeto, há 15 anos, de terça a domingo. Ele inicia a caminhada a partir da própria casa, na Cachopa, passa pela Vila Verde, volta para a Cachopa, Paula Brito e Dionéia. “Vendo mais ou menos 600 sonhos por mês. As vezes a venda é fraca, então vou para a praia vender sorvetes e biscoito Globo, aos sábados e domingos, para complementar a renda”.

Nilton e sua caixa com sonhos de creme e doce de leite. (Foto: Michel Silva)
Nilton e sua caixa com sonhos de creme e doce de leite. (Foto: Michel Silva)
Perguntado sobre a abertura de uma loja para vender seus produtos, o doceiro revelou um desejo: “O meu maior sonho é ter meu próprio negócio. E um trabalho árduo. Não é nem questão de andar. As vezes está chovendo e atrapalha muito a minha renda” e exalta “Os sonhos, as balas de coco.. eu faço com prazer!”.

O andarilho fez com que percebesse a transformação urbanística na Rocinha. “Na Vila Verde você tinha que andar se agarrando nas paredes porque era barro puro. Só depois de um tempo que os moradores se reuniram e colocaram concreto na rampa.”, relembra.

A entrevista é interrompida por uma moradora que havia comprado dois sonhos fiado. Durante todos esses anos, andando pelos becos da Rocinha, Nilton é uma figura conhecida. Todos o conhecem. Mesmo aceitando fiado ele demonstra cautela. “Eu confio e não confio. Eu não posso ver o coração das pessoas. O que prevalece é a palavra da pessoa.”

Sonhos, maçãs do amor, balas de coco caramelizadas. Nilton também aceita encomendas e vende os doces em eventos. “A pessoa me liga e diz que em tal hora e tal dia vai ter uma festa em um local. Eu preparo as coisas e fico na entrada da festa. Isso me ajuda.”, conta ele.

O telefone para contato de Nilton é (21) 3322-8023.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

CAIXA já tem novo espaço para atender moradores na Rocinha

Retorno do banco vai beneficiar milhares de moradores

Metrô de São Conrado ganha ponto de retirada de compras online

47% dos moradores de áreas de risco têm dificuldade de acesso a fretes, diz empresa

Mototáxi inova e aceita cartão de crédito na Rocinha

Há quem diga que, na Rocinha, tudo pode acontecer. E pode! Nerito…

Flamengo vai abrir loja na parte baixa da Rocinha

Em 2019, o Flamengo encerrou o ano com 81 lojas pelo país