Numa das ruas com grande concentração de comércio, a Via Ápia, na parte baixa da Rocinha, um rapaz passa boa parte do tempo gravando vídeos no celular enquanto não vende os produtos eletrônicos da sua barraca. De fácil risada, Juan Gabriel da Silva Nascimento, de 18 anos, é um TikToker conhecido na web como Ruan “Juliet” por usar um óculos escuro de uma marca famosa. 

Morador do Valão, localidade na parte baixa da Rocinha, ele ajuda os pais desde os 12 anos na barraca de eletrônicos. Se na rua o público é instável, no mundo digital o público só cresce. Com quase 500 mil de seguidores no TikTok e 70 mil no Instagram. Ruan cativou o público criando vídeos humorísticos e mostrando como é seu dia a dia pelos becos dos morro, além de mostrar o cotidiano do trabalho na barraca.  

Na barraca dos pais, o jovem planeja a produção de novos vídeos para as redes sociais. Foto: Osvaldo Lopes/Fala Roça

“Eu comecei a trabalhar aqui na barraca por necessidade. Deus me enviou um irmão em 2011 com deficiência, uma síndrome rara, e minha mãe teve que se dedicar a ele. Com 12 anos vim tomar conta e vender as coisas aqui e meu pai vendendo as coisas na praia de Ipanema”, explica Juliet, cujo irmão faleceu em 2020.

A condição familiar tornou a conclusão do ensino médio um grande feito. “Eu sempre estudei de manhã e ficava na barraca de tarde até a noite, botava meu uniforme na mochila e vinha, tinha que trabalhar, né”, recorda. Ele concluiu o ensino médio e continua trabalhando na barraca onde observa o vai e vem de moradores e pensa na produção de novos vídeos.

Em ascensão nas redes sociais, Ruan Juliet possui vídeos com 8 milhões de visualizações apenas mostrando como é ser morador da Rocinha. O influenciador e empresário Jacques Vanier convidou o jovem para conhecer Goiás, onde gravaram vídeos e ampliou o alcance nas redes sociais. 

“Foi demais conhecer o Jacques, ele esteve aqui na Rocinha, surgiu a oportunidade de ir junto e eu fui pra lá. Isso deu tanta história nas redes, sem falar que o povo de fora da favela me conhece muito mais do que o povo dentro da minha própria favela e isso é muito louco.”, afirma ele.

Juliet diz não se deixar abater pelos comentários críticos que recebe nas suas redes sociais ou quando passa pelos becos do morro. Apoiado pelos pais, amigos e até mesmo ambulantes de barracas vizinhas, o influencer busca produzir conteúdos diferenciados, mostrando como é a fiação dos postes na Rocinha, o abastecimento de água, um banho dentro de uma caixa de água na laje e até “aulas” de gírias usadas nas favelas cariocas. 

Futuro é agora

Ruan não é muito capaz de traçar metas profissionais para o futuro, segundo ele, por não conseguir se sustentar completamente a partir da internet. Ele planeja conseguir uma casa para os seus pais e também pensa em fazer uma faculdade de publicidade para melhorar seu conteúdo. 

Com o avanço da tecnologia os jovens se integram cada vez mais neste mundo. “Quero aproveitar essa garotada aí, o povo da minha idade, povo mais novo e até as crianças que já me conhecem e assistem os vídeos e levar uma boa mensagem para eles. Papo de futuro.”. 

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

‘Arep – Operação Rocinha’ estreia em plataformas e TV por assinatura

Em 93 minutos, o filme “Arep – Operação Rocinha” conta a história…

Sonhando com a Sapucaí, Acadêmicos da Rocinha desfila no próximo sábado na Série Prata

A Acadêmicos da Rocinha será a segunda escola a desfilar no próximo…