Jornalistas e comunicadorus que atuam há mais de dez anos em diferentes territórios do país negligenciados no acesso aos direitos lançam este mês a proposta de atuação coletiva da Coalizão de Mídias Periféricas, Faveladas, Quilombolas e Indígenas.

Leia a carta de apresentação na íntegra:

Em um momento de grandes discussões sobre o futuro do jornalismo e o aumento de fake news nas mídias e plataformas digitais, as mídias que integram a Coalizão apontam sobre a necessidade de se debater um desafio anterior que é o combate ao racismo digital, que afeta prioritariamente a população negra e indígena.

Juntes reunimos soluções tecnológicas ancestrais para produzir e distribuir informação de interesse público para a população quilombola, indígena, periférica e favelada, em contextos sociais em que a internet é precária ou inexistente. Mitigamos o impacto da desinformação, polarização política e discursos de ódio por meio dos conteúdos jornalísticos e da educação midiática, prática comum a todas as iniciativas que compõem a Coalizão.

”O nosso jornalismo tem como princípio a ética, porque falar do outro do nosso território é falar de nós mesmos. A notícia para nós não é mais importante que a segurança de uma pessoa entrevistada por nós. Além disso, nosso jornalismo precisa deixar de ser visto como jornalismo ativista ou militante, pois acreditamos que nós somos o jornalismo do futuro. É este jornalismo que precisa ser cada vez mais ensinado na academia, é esse jornalismo que precisa ganhar o país e o mundo. É um jornalismo feito de dentro, por quem sofre o racismo cotidiano e a ausência de direitos”, define Gizele Martins, da Frente de Mobilização da Maré e que há 20 anos faz comunicação comunitária no Rio de Janeiro. 

Temos o objetivo de transversalizar nossas pautas e ações de forma multimídia, multiplataforma, online e offline, com abordagens que valorizem e registrem as memórias, narrativas e identidades desses territórios, mas que também apresentem as complexidades e particularidades atravessadas pelo machismo, racismo, LGBTQIAPN+fobia, capacitismo, etarismo. 

Atuamos em coletividade há alguns anos e agora de forma oficial em três dimensões de trabalho: incidência política de articulação local e nacional, trocas de saberes de tecnologias ancestrais de comunicação e jornalismo e um consórcio de produções de conteúdos jornalísticos. 

Toda essa proposta de atuação deve ser viabilizada por meio da democratização de recursos financeiros e de infraestrutura destinados a veículos de imprensa comprometidos com o aprimoramento da democracia e a efetivação da garantia de direitos.

“Nos reunimos para participar das conversas que existem, mas também para propor as nossas. Queremos trocar sobre as questões editoriais, mas também a respeito de financiamento. Se os nossos pontos de partida são diferentes e a desigualdade estrutura os nossos acessos, a gente precisa falar sobre isso. E para que esses sujeitos historicamente à margem dos espaços de poder possam estar nesse debate precisamos garantir o acesso, mas também as condições de permanência e de influência dos espaços”, diz Tony Marlon, educador e comunicador popular do Campo Limpo, periferia da cidade de São Paulo.

Quem compõe a Coalizão

São aquelus que durante os últimos três anos atuaram combatendo fake news dentro dos locais empobrecidos do país com linguagem e práticas de comunicação e educação locais, mas com contextualização da estrutura sociocultural e econômica brasileira. São também aquelus fruto da atuação de mídias negras que há décadas atuam por meio de um jornalismo antirracista e que tem o povo como protagonista da sua própria história e memória, pautando as históricas ausências de direitos.

“Se o nosso jornalismo acabar amanhã, a gente morre, muita gente morre e de várias formas. Planos, sonhos e morte mesmo. A gente faz um jornalismo necessário, essencial como forma de proteção de território, proteção de vida”, alerta Raimundo Quilombo, idealizador da TV e Rádio Quilombo que atua a partir do Quilombo Rampa, Maranhão. 

A Coalizão de Mídias Periféricas, Faveladas, Quilombolas e Indígenas é criada por Periferia em Movimento, Desenrola e Não Me Enrola e A Terceira Margem da Rua (SP), Frente de Mobilização da Maré e Fala Roça (RJ), Rede Tumulto (PE), Mojubá Mídias e Conexões (BA), TV Comunidades e TV Quilombo (MA),  Coletivo Jovem Tapajônico (PA) e Coletivo de Comunicação da CONAQ (BR). 

“Vemos que não estamos sozinhos, que a luta por comunicar nossas demandas está cada vez mais fortalecida, poder mostrar e falar das narrativas do nosso território, sem distorções, principalmente colocar o que nos afeta, enquanto território indígena, denunciar os abusos para com nosso povo, em um contexto indígena, quilombola, favelado e periférico”, reconhece Elize Mayara Oliveira, indígena comunicadora popular do Coletivo Jovem Tapajônico, no Pará. 

As ações da Coalizão de Mídias Periféricas, Faveladas, Quilombolas e Indígenas serão anunciadas ao longo de 2023, assim como mais informações sobre suas diretrizes, cronograma de atuação e etapas de expansão de integrantes da Coalizão. 

Yandê por Yandê! Nós por nós!

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Tradição há 27 anos, Via Sacra da Rocinha acontece nesta sexta-feira

A sexta-feira santa tem um atrativo especial na Rocinha: a encenação da…

Moradores reivindicam a construção de um Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSI) na Rocinha

Os CAPSi são destinados a regiões com mais de 70 mil habitantes, coincidindo com a densidade populacional da Rocinha, conforme o censo do IBGE de 2010

Projeto na Alerj pode criar fórum para debater e fomentar comunicação nas favelas do Rio

A deputada estadual Verônica Lima (PT) apresentou o Projeto de Resolução nº…

5 promessas do governo Eduardo Paes para a Rocinha

Camelódromo, clínicas da família, encostas, reformas de quadras e reparo emergencial na canaleta da Rocinha são destaques