A agente comunitária de saúde Adalgisa da Silva, de 60 anos, foi a primeira pessoa da Rocinha a receber a vacina contra o novo coronavírus. Ela foi imunizada na manhã desta quarta-feira (20), na Clinica da Família Rinaldo de Lamare, em São Conrado.

Moradora da Vila Verde, na parte alta do morro, Adalgisa da Silva se soma aos outros profissionais de saúde do município que fazem parte do grupo prioritário para receber a vacina.

Desde o começo da pandemia, ela não contraiu o vírus. Ela faz parte do grupo de risco e está trabalhando de casa. Orgulhosa pelo momento, Adalgisa conta que esperou muito pela chegada deste dia. “Muita emoção, feliz, aliviada em saber estou sendo imunizada, um momento histórico. Na hora pensei também em toda a população sendo vacinada e sentindo a mesma emoção que senti”, lembra a agente de saúde ao receber a aplicação das mãos da gerente e enfermeira da clínica, Thays Ferreira.

A Rocinha passou da marca dos mil casos confirmados de Covid-19 na segunda semana de 2021, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde. O total de mortes está em 66. Outros 938 moradores conseguiram se recuperar da doença. Ainda há 29 casos ativos.

Adalgisa faz sinal de positivo ao tomar a primeira dose da vacina contra a covid-19. Foto: Divulgação/CFRDL

De acordo com a coordenação das unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) da Zona Sul, os moradores da Rocinha podem realizar testes de covid-19 no Centro Municipal de Saúde Albert Sabin, na Clínica da Família Maria do Socorro e na Clínica da Família Rinaldo de Lamare. “Importante informar que os testes possuem critérios técnicos e a realização deles ocorre somente após avaliação clínica da equipe de saúde da família de referência do paciente.”, diz a Secretaria Municipal de Saúde em nota.

Um lote com 10 mil testes rápidos de antígeno será usado para testagens nas unidades básicas de saúde. Segundo especialistas da SMS, esse tipo de exame é mais rápido, podendo fornecer resultados em até 15 minutos após a coleta, sem a necessidade de laboratório. Pessoas com até sete dias do início dos sintomas poderão ser testadas.

O Boletim Epidemiológico da Covid-19 aponta que a Rocinha está na faixa de risco moderado para a doença. O levantamento é elaborado semanalmente pelo Centro de Operações de Emergências – COE COVID-19 RIO, trazendo as taxas da doença e uma análise de risco pelas RAs.

Os próximos passos da vacinação na cidade

Neste primeiro momento da vacinação, a prioridade são os profissionais de saúde, as pessoas envolvidas na campanha de vacinação, idosos e pessoas com deficiência que vivem em instituições de longa permanência, além dos trabalhadores desses estabelecimentos.

De acordo com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, as demais fases da vacinação, voltadas a outros grupos prioritários definidos pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, serão realizadas conforme novas remessas de vacina forem recebidas na cidade.

Paes lembrou que a chegada da vacina à cidade não significa, ainda, o fim da prevenção ao coronavírus. “O início da vacinação não é o fim da pandemia. O início da vacinação é literalmente uma luz no fim do túnel. Nós continuaremos com as medidas que vínhamos anunciando ao longo das últimas duas semanas, especialmente na semana passada, colocando as restrições, fazendo o acompanhamento do nível de contaminação por regiões administrativas.”.

Paes lembra que não é hora de relaxar com as medidas sanitárias contra a covid-19 na cidade. Ricardo Cassiano/Prefeitura do Rio

Quando novas remessas da vacina forem sendo enviadas pelo Ministério da Saúde, a vacinação ocorrerá em todas as 236 unidades de Atenção Primária e nas Policlínicas, a partir das datas que serão informadas futuramente. Também haverá vacinação em pontos estratégicos e no sistema drive-thru em locais a serem anunciados. “Para melhor organização e fluxo, evitando aglomerações nos postos, o atendimento será escalonado, por grupos prioritários e até dividido por subgrupos por idades, para os idosos. É importante que cada pessoa só compareça ao posto de saúde no dia de vacinação de seu grupo ou subgrupo“, informou a prefeitura.

Não será preciso se cadastrar previamente para tomar a vacina, mas as pessoas precisarão levar um documento oficial de identificação com foto que comprove fazer parte do seu grupo prioritário. Trabalhadores de saúde que tenham registro profissional (médicos, enfermeiros, etc.) deverão apresentar o documento de seu conselho de classe. Outros funcionários de unidades de saúde que também ficam mais expostos ao vírus (maqueiros, porteiros, atendentes, etc.) devem tomar a vacina em sua própria unidade de lotação ou conforme a orientação de seu gestor. Quando chegar a vez dos portadores de comorbidades, eles deverão apresentar laudo médico comprovando terem a doença informada.

Ao tomar a primeira dose, o paciente receberá a caderneta ou comprovante de vacinação e a informação de quando deverá voltar para receber a segunda dose, preferencialmente no mesmo posto de vacinação. É imprescindível que, ao retornar para a segunda dose, a pessoa apresente o comprovante da primeira.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Sem cobrar, motorista de app leva idosos para vacinar contra covid-19 na Rocinha

O início da vacinação de idosos contra a Covid-19 no Rio vem…

Homem de 43 anos morre com coronavírus após dar entrada na UPA da Rocinha

Um homem de 43 anos morreu com coronavírus na última quinta-feira (16),…

Rocinha lidera nº de casos de coronavírus em favelas no Rio; já são 34 infectados

34 moradores da Rocinha estão infectados com o novo coronavírus, o covid-19,…

Desempregado, padeiro produz pães e doa para moradores na Rocinha

Em média, cada saco montado pela família de Isael Jacinto tem 5 pães